Residência de Nicolau Schiesser

Quando publicamos as casas que são catalogadas aqui no São Paulo Antiga muitos perguntam se temos fotos internas dos imóveis. Isso nem sempre é possível, seja em razão da privacidade dos moradores ou seja pela inexistência ou dificuldade de encontrar fotografias de lares que já foram demolidos, ou encontram-se em situação de abandono.

Mesmo assim, já mostramos o interior de algumas casas como o Casarão da Fábrica de Tecidos Labor e o Palacete de Alexandre Siciliano. Agora, vamos mostrar dentro e fora de um belo casarão há muito desaparecido, a residência que pertenceu a Nicolau Schiesser.

Na foto a residência e carro de Nicolau Schiesser, início dos anos 40 (clique na foto para ampliar).

Apresentar aos leitores esta preciosidade só foi possível graças a gentileza dos familiares, que nos cederam as imagens para digitalização e publicação e que nos receberam para uma conversa muito agradável onde foi contado um pouco da bonita história da família.

Nicolau Schiesser

Natural da Suíça, Nicolau Schiesser era engenheiro e veio para o Brasil convidado pelo Conde Matarazzo, que o contratou para trabalhar nos projetos das tecelagens de sua empresa, indo primeiramente para a região de São Roque.

Engenheiro brilhante Schiesser logo conquistaria admiração e respeito nas Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo e, com destaque, foi galgando novas posições na empresa, em cargos de alta confiança que em geral eram destinados apenas aos familiares do Conde.

Foi na empresa de Matarazzo que Schiesser não só ganharia riqueza e prestígio mas conheceria também a sua futura esposa.

E uma vez casado, veio a necessidade de construir uma residência para a nova família que surgia. E foi assim que em 1924 Nicolau Schiesser iniciou a construção de sua residência na Rua Maranhão, no elegante bairro de Higienópolis.

Fotografia da casa, ainda em construção, e seus familiares em 1924

Naquela época, Higienópolis era um dos bairros favoritos da elite paulistana para morar. Muito próximo ao centro, oferecia a tranquilidade de um bairro estritamente residencial com a facilidade de estar próximo do centro da cidade.

Não demorou para que a bela residência fosse concluída, transformando-se assim num belo e agradável lar para a Família Schiesser.

Vista parcial da residência e do jardim (clique na foto para ampliar)

Tratava-se de um casarão magnífico como era muito comum de se observar em Higienópolis na primeira metade do século 20 e que hoje são praticamente inexistentes por ali.

A construção ficava em uma posição elevada, no centro do terreno, e tinha vista não só para a Rua Maranhão como para os outros lados do bairro, em uma época que a área não era ainda densamente habitada.

A foto abaixo dá uma noção de como era a região de Higienópolis na segunda metade dos anos 1920, com destaque para a residência da família Schiesser:

clique na foto para ampliar

Além dos trabalhos na Indústrias Matarazzo, Nicolau Schiesser também atuou na construção civil e nesta iniciativa surgiram alguns edifícios importantes na cidade, como o Paysandu, na região central, e o Edifício Nicolau Schiesser (que já abordamos aqui), este último projetado por ninguém menos que o célebre arquiteto Rino Levi, amigo de Schiesser.

Na foto, Nicolau Schiesser no jardim de sua residência (anos 1940).
Na foto, Nicolau Schiesser no jardim de sua residência (anos 1940).

Além da beleza arquitetônica da fachada, construção de alto nível e bom gosto, a residência também possuía um interior ricamente decorado, como era de praxe nas residências de alto padrão daquela época.

A sequência de imagens a seguir, mostra como eram os principais cômodos do casarão.

clique na foto para ampliar
clique na foto para ampliar
clique na foto para ampliar

A residência permaneceu na família mesmo após o falecimento de Nicolau Schiesser, no início dos anos 1960. Com o tempo os filhos foram crescendo, se casaram e foram deixando a residência que com isso acabou sendo vendida. O imóvel resistiu até o início da década de 1980 quando foi demolido. No local existe um condomínio residencial.

Nem sempre é possível preservar um imóvel para a posteridade, pois há uma série de fatores envolvidos que podem fazer com que uma determinada residência seja ou não preservada. Neste caso, ela se foi, mas as imagens guardadas com carinho e apreço pela família mostram que o mais importante dela foi preservado para a posteridade: a felicidade de toda uma vida.

Pouco conhecido do grande público paulistano, Nicolau Schiesser veio do outro lado do Oceano Atlântico para ser um grande empreendedor em São Paulo. Esta cidade que amamos e que acolhe tão bem a todos que aqui chegam para contribuir com o crescimento desta metrópole.

Hora de brincar !

Nosso agradecimento em nome do São Paulo Antiga e de todos os nossos leitores à Família Schiesser, em especial a seu neto Roberto Schiesser, pela cessão das imagens que aqui publicamos.

Mas ainda não acabou, separamos duas galerias com outras 24 imagens internas e externas da residência. Veja a seguir!

Fotos externas do casarão (clique na miniatura para ampliar):

Fotos internas (clique na miniatura para ampliar):

Gostou das imagens ? Não esqueça de deixar um comentário!

Compartilhe este texto em suas redes sociais:
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Siga nossas redes sociais:
pesquise em nosso site:
ouça a nossa playlist:

48 respostas

  1. Fantástico trabalho de reconstituição de um estilo de vida, de uma época, de uma São Paulo que se perdeu no tempo.

  2. Perfeito…
    É bem interessante poder ver casas, lugares e as suas histórias.
    Parabéns!
    ps.em 1966 quando fui morar em São Paulo.
    Morei na av.Paulista perto da Brigadeiro Luis Antonio.
    Tinha uma casa maravilhosa esquina da rua Manoel de Nóbrega com Av Paulista.
    Ainda conheci os moradores e o que me marcou (eu tinha 12 anos) foi a beleza da casa(o interior era de mármore Carrara e um pé direito altíssimo) e a quantidade de carros antigos na garagem…
    depois virou banco…
    foi demolida.
    Vocês teriam fotos destas casa?

  3. Devia ser muito bom morar em SP nessa época. Obrigado pelas imagens, elas sempre me fazem viajar.

  4. Aproveitando os 460 anos de São Paulo, seria muito interessante se alguém que o possua, scaneasse as fotos da Villa Matarazzo que estão no livro MATARAZZO – 100 ANOS, editado em 1982. Procuro há séculos fotos do interior da emblemática mansão, mas nunca achei. Me disseram que nesse livro comemorativo existem essas fotos. Isso procede pessoal?

    1. Sim, v. encontrará algumas fotos coloridas de cômodos da Villa Matarazzo, como, por exemplo, a sala de bilhar, a biblioteca, o quarto dos Condes, o grande salão. Estão na segunda parte desse belo livro, quando se trata da vida e da administração do Conde Francisco Matarazzo Jr.

  5. que espetáculo !!!!!!! ainda bem que sobraram as fotos. É impssível manter esses patrimônios intactos , mas o advento da fotografia preserva tudo isso. Parabéns, adoro o seu site.

  6. Eu adoro ver essas maravilhas que se pudesse comprava todas para ser um museu a céu aberto mas….
    Agora essa simplesmente é divina, eu adorei, tanto fora quanto dentro.Muito obrigada por mandarem pra mim tamanhas maravilhas.

  7. Parabéns a São Paulo antiga, essa reportagem foi um presente aos paulistanos, neste aniversário de São Paulo nos propiciou a oportunidade de conhecer um pouco da história da família paulistana, que vem sendo apagada e literalmente demolida na cidade e na memória das futuras gerações, Obrigada!!!

  8. Quantas lembranças essa família deve ter. E aquela tecla que insistimos em bater: porque não preservar e restaurar? São Pulo está virando uma cidade de prédios e estacionamentos. Saudade de um tempo que não vivi.

  9. Lindas imagens… É errado julgar sem que saibamos o verdadeiro motivo da venda. Mas, não entendo tamanho desapego… Desapego, não só da ímpar construção mas também de tantos momentos que certamente a família viveu neste lugar…
    Enfim, fato de difícil compreensão.

  10. OTIMA REPORTAGEM. QUANDO VEJA FOTOS DESSAS MANSOES ANTIGAS, FICOU MUITO CURIOSA EM SABER COMO ELAS ERAM POR DENTRO. BELISSIMAS E AUSTERAS, O QUE FAZIA PARTE DAQUELA EPOCA.
    A VENDA DA PROPRIEDADE DEVER TER SIDO POR CAUSA DOS PERIGOS DA CIDADE GRANDE, ASSIM COMO O PRECO INVIAVEL DOS IMPOSTOS DE AGORA., ENFIM, PERDEU-SE MAIS UMA BELA RESIDENCIA DA NOSSA SAO PAULO. QUE PENA!!!
    OBRIGADA PELA PUBLICACAO DESSE TRABALHO. ADOREI !

  11. AMEI AS FOTOS SAO BELAS SAO INCRIVEIS ME SENTI VOLTANDO PARA O PASSADO VENDO AS FOTOS TIRADAS DO LADO DE FORA EU FICO IMAGINANDO COMO SERIA POR DENTRO E VENDO AS FOTOS TIRADAS POR DENTRO E CONHECER UM POUQUINHO MAIS DESTA FAMILIA E SEU JEITO DE VIVER DAQUELA EPOCA ESTAO TODOS DE PARABENS.

  12. Maravilhosa esta reportagem – Lindas imagens dessa casa magnifica. Fiquei emocionada ao ver uma escrivaninha igualzinha a de meu avô, até o mata-borrão e bloco de notas, iguaizinhos…Obrigada!

  13. “Quando vi essas fotos mal sabia o que sentir, não vi as casas sendo construídas, não essas pessoas crescerem, mas, nunca as imaginei assim.”

    Tenho visto muitas coisas do passado por fotos e me pergunto, por quê nos maravilhamos tanto, essa sensação que temos ao olhar pra tanto tempo atrás é boa e triste, algo atemporal, às vezes penso que somos mais ligados ao passado do que pelo que vem pela frente.

    Obrigado por nos fazer ter essas lembranças de coisas que, acredito, muitas nem sequer sabíamos que existiam.

  14. Muito boa postagem, que maravilha de homenagem a São Paulo, e a lembrança de uma época tão bonita, gostei muito..

  15. parabéns, sou uma apaixonada por casarões antigos vendo essas fotos,sinto como se estivesse percorrendo cada comodo tocando cada objeto tentando imaginar cada momento ali vivido muito obrigada por proporcionar-me tamanha viagem e alegria, sensacional.

  16. Linda as imagens e quanta tranquilidade! Pena que fisicamente não existe mais.
    Concordo com Lucienne sobre estar lá mentalmente, é verdadeiramente um sonho.
    Parabéns a todos.

  17. Faço parte dessa família, sou neta de Nicolau e Fortuna e fiquei feliz com a publicação. Não foi possível conservar o imóvel da rua Maranhão, mas as fotos e inúmeros objetos ainda pertencem a nossa família e são cuidadosamente guardados por nós, descendentes, com muito carinho e admiração.
    Virginia

  18. Parabens pelo trabalho magnifico da reportagem e tambem do meu primo Roberto que possui este enorme acervo de fotos……tenho muitas lembranças de historias incriveis contadas desta casa pela minha avo Martha….saudades

  19. Obrigada, querido primo Beto, por partilhar essa reportagem conosco. Também sou neta do Nicolau Schiesser
    e me lembro bem da casa da rua Maranhão e de vários objetos mostrados nas fotos, especialmente a bailarina de Chiparus, que durante tantos anos esteve presente na mesa de minha mãe Lydia. Todos nós temos orgulho da nossa família. Priscila

  20. Parabéns a família, guardar estas fotos, uma lembrança muito boa eu que tive oportunidade de trabalhar como prestador de serviços dentro destas mansões , guardo também muitas recordações, ótima reportagem.

  21. Maravilhosas fotografias.
    Ótima reportagem, e obrigado à família por compartilhar conosco essa história.
    Isso reavivou lembranças dos que viram isso ao vivo…e alimentou a imaginação de todos nós, além de satisfazer um pouco da nossa enorme curiosidade…

  22. fantástica casa,as fotos belíssimas,acervo raro,os detalhes da construção os acabamentos esmerados,uma pena sua demolição!

  23. É UMA PENA QUE NÃO VIVI EM UMA ÉPOCA QUE VOCE ERA RESPEITADO VOCÊ PODIA ANDAR NAS RUAS A FAMÍLIA ERA FAMÍLIA. gosto DE HISTORIA

  24. Amei conhecer a história da Família Schiesser. Até então não conhecia nada desta história.
    Agradeço a oportunidade de compartilhar esta história tão linda

  25. Maravilhoso. Pena que tenho ido embora.
    Sou saudosista por excelência, quando vejo essas maravilhas me ponho a imaginar com seria a vida naquela época.

  26. Belo trabalho de preservação de uma memória, parabéns. Este é a única maneira de manter vida num local que já não mais existe

  27. Parabéns pelo trabalho. Vc sempre nos presenteando com preciosidades. Gratidão aos familiares pelo zelo e colaboração.

  28. Tudo passou,tudo se transformou e só nos resta resta recordar…gosto muito.

  29. Tempos de desbravamento, de indústria forte, que neste ciclo econômico atual foi engolida pela competência e preço dos concorrentes estrangeiros (China principalmente). Quem sabe um dia retornaremos aos bons tempos.

  30. TEM PESSOAS QUE LABUTAM TANTO E OUTROS QUE NASCEM COM TANTA SORTE ONDE COLOCA A MÂO VIRA OURO
    ,

Deixe um comentário!

%d blogueiros gostam disto: