Teatro Paiol

Inaugurado em 24 de novembro de 1969 por Perry Salles e Miriam Mehler o Teatro Paiol é uma sala de espetáculo que teve sua trajetória especialmente atrapalhada por uma das mais grotescas obras viárias do país, o Elevado Costa e Silva.

A confortável sala foi projetada pelo arquiteto Rodrigo Lefévre a sala não contou com muito dinheiro para ser construída mas o casal Perry e Miriam não tiveram dificuldades em finalizar o projeto com a ajuda de muitos amigos artistas e admiradores.

A entrada do Teatro Paiol em meados da década de 1980:

As poltronas destinadas a platéia foram adquiridas de segunda mão da empresa Folha da Manhã S/A e, para melhorar a acústica da sala recém criada, as paredes tiveram seus tijolos perfurados um a um pelo casal proprietário do imóvel. Hoje, sem forro nas paredes, é possível conferir que os buracos estão lá intactos tal qual há 40 anos atrás foram feitos por Perry Salles e Miriam Mehler.

Os famosos “buracos acústicos” :

A proposta do Teatro Paiol era encenar somente peças de autores brasileiros, apoiando e difundindo a cultura brasileira e para a inauguração foi escolhida a peça Flor da Pele, estrelada por Consuelo de Castro e dirigida por Flávio Rangel.

Entretanto, com a dificuldade de se investir somente em peças de autores nacionais, Salles e Mehler decidiram finalmente abrir espaço às produções internacionais e optaram por iniciar com a obra Abelardo e Heloisa, de Ronal Millaar. Porém o palco ainda não possuia urdimento cênico e para isso foi necessária uma grande reforma, reconstruindo o palco e disponibilizando um urdimento de 9 metros de altura e mais três andares de camarim. Com isso, o Paiol tornava-se o primeiro teatro paulistano de pequeno porte a contar com urdimento.

Com o tempo o local passou também a contar com livraria e cineclube.

A decadência:

Com a chegada do Elevado Costa e Silva, popular Minhocão, no ano seguinte da inauguração do teatro, a região passou a sofrer uma lenta, porém contínua, degradação. Aos poucos, a região de Vila Buarque foi perdendo seus atrativos mais conhecidos como a Boate La Licorne e o local deteriorou-se.

Não demorou muito e o público do teatro, outrora fiel, começou a rarear em meados da década de 1980. Separado de Míriam Mehler há alguns anos Perry Salles já não tinha mais parte no teatro. No início da década de 1990 o Teatro Paiol deixava de ser um teatro, fechando suas portas. Ele logo reabriria novamente como um cinema de filmes de sexo explícito, destino amargo e comum a grande maioria dos cinemas de rua do centro de São Paulo.

Desde 2007 o local está fechado e foi colocado à venda. Seu valor: R$850 mil reais.

Apesar de tanto tempo fechado, o local ainda é uma boa opção para quem quiser comprar e recuperá-lo novamente como uma sala de teatro. O Paiol, mesmo com todas as dificuldades que o centro de São Paulo ainda oferece, especialmente aos apreciadores de cultura, ainda tem fôlego para uma reabertura. Basta vontade, incentivo e reforma.

A capacidade de público é de 245 espectadores e o seu palco possui 11×11 metros.

Interessados em comprar o imóvel podem procurar o Sr. José Roberto Sanches Nieto nos telefones: (11) 3537-2220 ou (11) 7378-1130.

Nossos sinceros agradecimentos a Valentina Caran Imóveis que nos permitiu entrar e fotografar o saudoso Teatro Paiol e ao ator Amilton Ferreira que foi nosso guia.

Por não estar abandonado e ainda possuir condições de uso o imóvel recebeu nosso selo amarelo no mapa geral do São Paulo Abandonada & Antiga.

Faça um tour fotográfico pelo Teatro Paiol (clique para ampliar):

Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento Foto: Douglas Nascimento Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento Foto: Douglas Nascimento Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento Foto: Douglas Nascimento Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento Foto: Douglas Nascimento Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento Foto: Douglas Nascimento  

Confira o local através do mapa:

Visualizar São Paulo Antiga em um mapa maior

Bibliografia: Teatros: uma memória do espaço cênico no Brasil – Autor: José Carlos Serroni

Compartilhe este texto em suas redes sociais:
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Siga nossas redes sociais:
pesquise em nosso site:
ouça a nossa playlist:

32 respostas

  1. Uma das melhores reportagens do site. Devia ser um local muito aconchegante para se assistir peças. Espero que seja comprado por alguém que tenha amor pela cidade e possa revitalizá-lo. Quantos espaços assim temos espalhados pelo centro? Alguém se lembra do Teatro Henfil, na Bela vista??

    1. Parabéns ao São Paulo Antiga pelas inúmeras matérias realizas, e com muita alegria venho informar que o teatro Paiol foi restaurado e reinaugurado. O centro de SP esta precisando de iniciativas assim, restauração de e preservação de seus imóveis.

  2. Fui duas vezes a esse teatro, no início dos anos noventa, uma das peças era justamente “o Magico de oz”, anunciado na segunda foto.
    Me lembro bem desses tijolos perfurados, até pensei que o teatro estava em reforma, eu tinha menos que 8 anos na época. Realmente era bem aconchegante, e pode voltar a ser com uma reforma.

  3. Assisti aí uma peça infantil nos ano 1970, “O Rapto da Cebolinha”, a primeira vez que entrei em um teatro. Nem imaginava que ele ainda estava de pé. Parabéns pela matéria!

  4. Olá!
    Estou muito feliz por ter encontrado esse site, pois sou apaixonada pela arquitetura antiga da cidade de São Paulo! Adoro andar pela cidade observando essas construções tão tristemente abandonadas, imaginando o que teria sido aquele lugar no passado e toda a bagagem histórica que aquele lugar deve nos trazer.
    Excelentes matérias!
    Realmente, é muito triste saber que um local como esse está abandonado dessa forma!
    Parabéns pelo site e pela iniciativa!

  5. Assisti a algumas peças no Teatro, e como alguem que adora teatro me doi ver o local que poderia ser de alegria e cultura assim deixado de lado…
    Alias infelizmente São Paulo tem lugares lindos, construçoes antigas que deveriam ser preservadas e cuidadas e estão todas jogadas em total abandono.

  6. Quando criança, morei no prédio que fica ao lado direito “visto de frente”, apenas aparecem parte dos ladrilhos pretos da entrada e azuis das janelas , isso foi em 1983, lembro que havia movimento principalmente nas noites de sexta, sempre tive muita vonta de e curiosidade de saber como era ele por dentro, mas sinceramente preferia tê-lo visto naquela época. Muito bom este site, atualmente moro em Goiânia e sempre que bate uma nostalgia de minha terra natal, dou uma passada aqui e vejo um monte de locais que costumava passar quando eu era office boy.

  7. Eu assisti a uma peça no Teatro Paiol no final da década de 70. Foi o primeiro teatro que entrei e esse, a gente não se esquece. Me lembro da parede e dos tijolos perfurados e confesso que achei estranho.
    Não me recordo o nome do espetáculo que tinha a narração do já falecido ator Sady Cabral. Eu aprecio muito a arte e fico chateada ao saber do triste fim de um teatro foi construído com tanto sacrifício.

    1. fui da producao 1976 infantil o mais belo do paraiso quem foi daquela epoca me mande msg.

  8. Minha mãe perguntou: O teatro Paiol ainda existe? Nunca mais ouvi falar. Disse à ela que procuraria saber. Achei. Foi o primeiro teatro da minha vida, eu tinha 6 anos. Hoje torço para que pessoas que possam, comprem o prédio e revitalizem o nosso TEATRO. Juro que voltarei a frequentar.

  9. Saudades do Paiol, foi lá que assisti a primeira peça na minha vida, O Rapto da Cebolinha, nos anos 70. Depois nos anos 80 fiz curso com Emílio Fontana lá. Lembro do cheiro, da luz, da densidade do lugar… Que se faça fenix saudoso Paiol e se reconstrua.

  10. A primeira vez que subi num palco de teatro foi lá, no Paiol.Isso foi no final de 1983,para assistir um exercício de teatro com Emílio Fontana.No ano seguinte,já fazia parte do curso realizado aos Sábados de manhã, era muito legal,sinto muitas saudades daquele tempo.Tenho uma foto sentado nas escadas com minha turma de teatro.Quanta diferença vendo as fotos hoje!Que tristeza ver como ficou.

    1. Reynaldo amigão…te achei navegando pela net…..mundo ´pequeno que fica com este instrumento né??…..Vc ainda tem aquela Carranca que te dei de ´presente???..Me adicione no msn…….temos muito o que falar..heheheheh…Abração…

      1. Eu não acredito no que li!!!! É vc? Piu Piu? rs Meu Deus!! Quanto tempo!!! A Carranca ainda tenho sim e da forma q pintei, ou melhor ainda com muito a reformar hehe.Me procure no msn: naldocor@hotmail.com
        Abraço do seu tamanho !!!

    2. ola nossa bom saber que fez parte da história do Paiol então eu hoje em dia faço parte da revitalização dele vc sabe que ele esta pra voltar né. mas enfim eu sou super curioso queria mto conhecer mais a fundo ver mais imagens até msm videos se é que exite algo se tiver fotos ficarei mto feliz se pode me enviar abraço

    3. olá Reinaldo sou o J . Braz ,fiz o curso de Teatro nesta época de 1982 , 1983 com Emilho Fontana é pocivel que somos companheiros de curso. muita saudade dessa época , hoje moro no Estado de Rondônia Sou Radialista e técnico em Edificação , abraços a todos do grupo.

      esiste uma foto com o grupo eu sou o que está do lado direito do Emilho Fontana. foca com Deus.

  11. Também fiz parte da turma de 1983.Quanta saudade!!É triste ver o nosso querido teatro Paiol da maneira como está.

    1. Gostaria muito de reencontrar alguns colegas da época de 1984, das aulas de sábado de manhã.Rogério, Emilia, Rosângela.Onde vocês estão? Encenamos ” Pedreira das Almas” no fim daquele ano.

    2. Eu fiz parte da turma de 83 e 84 do curso do Emilio Fontana, mas, que eu me lembre, o curso era aos domingos, no 1º semestre de 84, o curso foi transferido para a Rua Frei Caneca, eu era da equipe Maresias, encenamos a peça de O bem amado e eu fiz o papel de Zeca diabo, alguém lembra? Abraços.

  12. Fiquei emocionada ao ver as fotos do Paiol. Fiz um curso de teatro em 1983 que deixou saudades imensas. Lá assisti Dona Rosita, a solteira com Nicete Bruno. Vi Luis Carlos Arutin nos bastidores, costurando sua roupa de cena. Encenei O círculo de giz caucasiano com colegas que não estão mais entre a gente, mas que vivem dentro de mim.

  13. Que emoçao, rever fotos do querido Teatro Paiol, foi lá
    que fiz meu primeiro curso de teatro com Emilio Fontana no ano de 1982 as aulas Domingo de manha, que tempo bom minha turma era alto astral, que saudades,conhecemos Paulo Gular Alexandre Frota.

  14. QUANTS PEÇAS MARAVILHOSAS ASSISTI NO PAIOL MUITAS COM NICETE BRUNO E PAULO GOULART, PARECE QUE ELES TINHAM UMA PARTICIPAÇÃO NO TEATRO, ACHO QUE ALI ASSISTI “ORQUESTRA DE SENHORITAS” MCOM PAULO GOULART, HOJE MORO EM STA. CATARINA, MAS MEU CORAÇÃO ESTA EM TODA SÃO PAULO, BEIJOS E ABRAÇOS

  15. Irei fazer uma proposta para ver o que podemos fazer. Garanto: será um teatro como antes.Talvez um pouco melhor!
    Se vcs me ajudarem também!
    Sou ator!

  16. è muito triste ver o teatro paiol, abandonado e a venda , amo este teatro . apresentei muitas peça de teatro infantil naquele palco e foi lá que aprendi tudo o que sei sobre peças infantis ao lado do grande diretor paulo perez. gostaria que alguém o transformasse em um teatro luxuoso e que ele fosse reaberto em grande estilo como ele merece.

  17. Deterioração mesmo começou com a “grande obra” da NEFASTA prefeita Eurundina.
    Melhor para São Paulo se tuvessemos sofrido durante a Segunda Guerra Mundial um ataque aéro do que ter que aguentar um DESMANDATO de 4 anos dessa senhora. Ou seja o projeto ESCOMBROS PAULISTANOS
    Talvez com um “plano Marshall” adequado terímos sobrevevido.
    Levaremos pelo menos uns 100 anos para reconstrução dessa cidade.
    Esse é o lado bem negro da democracia.

  18. Sou da turma do curso Emilio Fontana de se não me engano 1983/84, lembro do Carvalho, Solange, Mesquita, Mitsue, Solemar,Vera, Luciana,Patricia,Zizzi, e fizemos a Peça o Alto da Compadecida onde atuei no papel do padeiro.

  19. O teatro Paiol esta renascendo!..Mais um patrimonio cultural, que em breve abrirà suas portas, para a felicidade de nòs paulistas, paulistanos e artistas!.

  20. Inesquecivel MISSA LEIGA, com Armando Bogus, autoria de Chico de Assis. uma obra prima num local e em uma epoca que a ditadura explodia. inesquecivel…… faz parte importante da minha vida

Deixe um comentário!

%d blogueiros gostam disto: