A história do Termo-Rey®

Na foto a linha mais popular do Termo-Rey (clique para ampliar)

Em meados do século XIX a expansão do sistema ferroviário dos Estados Unidos estava atingindo territórios cada vez mais distantes.

Refletores de locomotivas e lanternas que tinha em sua composição o vidro não suportavam as mudanças bruscas de temperatura e acabavam trincando. Engenheiros foram contratados para desenvolver um vidro que não quebrasse por conta das oscilações de temperaturas. Foi um sucesso e o problema acabara.

Já em 1913, a esposa de um dos engenheiros teve a ideia de usar o vidro da lanterna para assar um bolo. E desde então os vidros temperados, opalinos, boro silicatos começaram a fazer parte do cotidiano das donas de casa americanas.

Nos Estados Unidos várias empresas foram criadas, mas a mais famosa foi a Pyrex com a célebre linha Corelle, que eram refratários com estampas que não descascavam em contato com o forno. Não demorou muito para que este tipo de tecnologia expandisse pelo mundo.

Fábrica da Brasividro, no Rio de Janeiro

Na década de 1960 surgiu no México a empresa Cristales Mexicanos S.A. No Brasil o grupo Nadir Figueiredo, através da Brasividro, lançou em 1972 a linha TERMO-REY.

O design das peças brasileiras foi elaborado pelo escritório Verschleisser & Visconti, de Leonardo Visconti (neto do pintor impressionista Eliseu Visconti) e Roberto Verschleisser, que disse ao São Paulo Antiga sobre a fabricação da Termo Rey:

“Foi um aprendizado e tanto porque tivemos que adaptar o design das peças à velocidade de produção das máquinas. Em muitos casos o vidro incandescente esfriava antes de preencher o molde completamente e por aí vai”.

O escritório com sede no bairro de Santa Tereza no Rio de Janeiro funcionou por 30 anos e fechou em 1995. A empresa foi responsável pelo projeto da frente e dos interiores dos carros A e B da linha Azul do Metrô de São Paulo em 1974 (então apenas Jabaquara – Santana) e posteriormente elaboraram o mesmo projeto no Metrô do Rio de Janeiro em 1979.

Leonardo Visconti também foi professor universitário e faleceu em 2013. Roberto Verschleisser segue a vida acadêmica como professor da ESDI – Escola Superior de Desenho Industrial da UERJ.

Do forno para a mesa, resistentes a oscilações de temperaturas e muito prático. Claro que a Termo-Rey acabou caindo na graça dos lares brasileiros e tornou-se muito popular.

Com certeza, alguém da sua família já teve algum prato, xícara, açucareiro, leiteira ou travessa da Termo-Rey, que fez parte do cotidiano de inúmeros lares brasileiros.

Linha ˝La Cuisine˝ – clique na foto para ampliar

A empresa possuía cerca de 22 modelos que eram vendidas em peças avulsas ou jogos de 8 a 20 peças. Tamanho foi o sucesso que as louças foram exportadas para Espanha, República Dominicana, África do Sul, Austrália e Venezuela.

Um atrativo a mais foi a linha infantil que a Termo-Rey começou a produzir em 1976. Era composto por dois pratos e uma caneca com ilustração de palhaço, o Termolin. O diferencial estava na embalagem de papelão que transformava um avião. Outro desenho que conquistou as crianças foi o gato e o peixe.

Linhas infantis, com o palhaço Termolin e o Gato e Peixe

A Brasividro parou de fabricar a linha Termo- Rey em meados de 1986 e logo depois a empresa fechou. Não sabemos o motivo do encerramento, mas efetivamente essas louças deixaram saudades.

Hoje as louças Termo-Rey viraram item essencial nas feiras de antiguidades. Indiscutivelmente a Termo Rey está muito ligada a evolução da cozinha nos modos e costumes.

Veja mais imagens de catálogo da linha Termo-Rey (clique para ampliar):

Confira abaixo uma galeria de imagens da coleção particular de Termo-Rey de Glaucia Garcia de Carvalho, historiadora que escreveu este artigo (clique nas imagens para ampliar):

E você, conhece a linha Termo-Rey ? Conte para nós quais produtos dessa linha você teve, utilizou etc…

Agradecimentos:

Nadir Figueiredo pela gentileza em nos ajudar na produção desta matéria e pelo envio via correio dos catálogos da empresa.

Compartilhe este texto em suas redes sociais:
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Siga nossas redes sociais:
pesquise em nosso site:
ouça a nossa playlist:

71 respostas

  1. Ah, parece q fui abrir o guarda-louças e escolher umas peças pra servir o almoço… Minha mãe achava tudo isso muito lindo e forte!!

  2. Nasci no bairro de Vila Maria zona norte da capital em 1945, e não tinha como não conhecer essa grande empresa que é Nadir Figueiredo, e não adquirir alguns de seus produtos . No início da década de setenta comprei exatamente o jogo de louças Termo-Rey completo idêntico ao da primeira foto. Boas lembranças

    1. Bem que poderiam voltar a fabricar essas maravilhas, lembro, de quando pequena, minha mãe tinha uma coleção dessas xícaras! #voltaTermoRey

  3. Carambaaaa! Tivemos delas também, à muito tempo. Bela reportagem!!!

  4. Em casa sempre tínhamos esse tipo de utensílio, até hoje ainda há uma ou outra peça por aqui. É engraçado que até hoje, para quem tem mais de quarenta anos,. qualquer tigela de vidro ou de louça é um “pyrex”

  5. MInha madrinha tem até hoje aquele modelo com os desenhos laranja, que olhando bem de longe parecem formigas… hehehe, eu quando criança e ficava na casa da madrinha, falava… o prato com as formigas de mãos dadas.

  6. Adorei esta matéria. É muito agradável voltar ao passado para ver coisas tão bonitas e úteis. A gente não entende como produtos tão interessantes acabam morrendo. Nem o por que da fábrica ter encerrado as atividades. Foi muito gratificante ver as imagens e relembrar os produtos.

  7. Tenho um jogo de xícaras da Termo-Rey! Minha vó tem algumas travessas. Uso as xícaras até hoje!

  8. Parabéns pela matéria, um excelente tema para quem ama antiguidades. Tenho um jogo Colorex, comprei num antiquário. Termo Rey ainda não consegui. Ah, e se não for em xícaras o cafezinho, para mim, não é completo…

  9. Taí algo em que não pensei mais há anos! A minha avó teve uma tigela igual àquela com a faixa quadriculada. Tempos de criança, de bolo feito à tarde, e com direito à colher “pão duro” para lamber rs.

  10. como sobrevivemos à tanta cafonice? eram simplesmente horríveis, apesar de muito práticos

    1. Pra quem não gosta paciência, mas não queira rotular sua opinião como verdade absoluta.

  11. Meu Deus meu sonho é ter um jogo de chá e tigelas ,pratos da termo rey, td isso fez parte da minha infância e adolecência qt saudades

  12. Meu sonho e ter um jogo completo da termo rey da gravatinha laranja sou hiper apoixada por essa reliquias pena que essa empresa nao volte a fabrica novamente quando se fechou tinha 4 aninhos

    1. Queria muito conseguir as canecas para completar meu jogo gravatinha laranja. Gostaria de saber também, quais foram as peças lançadas de cada linha. Sou colecionadora de linha gravatinha. E cada dia me surpreendo com novas peças.

    1. Tenho para vender alguns Colorex e Thermo Rey…se quiserem acessar minha pagina no facebook Achados da Rose ou pelo whats 47-99136-0565

  13. Olá. Quando criança gostava de ver minha avó decorando a mesa com as peças termo-rey. Doce de abóbora, de leite, biscoitinhos de nata…tudo ficava maravilhoso nas travessas! Quando minha avó morreu, recebi uma das travessas como lembrança. No mês passado, ao limpar a cozinha, minha ajudante quebrou a travessa. Fiquei tão triste que resolvi procurar na internet uma peça igual. Mas não encontro. Então, comecei a ler e conhecer as histórias da fábrica que criou a linha Termo Rey. para me identificar com a história e lembrar da minha própria história com minha avó e seus maravilhosos doces!

  14. Linda história pois, conheci e participei dela desde a Brasividro. Tive a grata satisfação de por 25 anos ser funcionário desta grande empresa capitaniada pelo ilustre Sr Nadir Días de Figueiredo e seus irmãos, na qualidade de vendedor,supervisor e .gerente da Filial Curitiba PR. (Até hoje tenho Termo-Rey em casa) Manoel O.Natel Portela

  15. Adorei a matéria, minha vó tinha essas louças. Vocês fizeram me recordar das tardes de domingo na casa dela.

  16. Voltei ao passado por instantes lembrei que minha avó e minha mãe tinha essas louças…
    Eu amo antiguidades e essas louças era muito lindas e resistêntes a nadir Figueiredo devia fabricar novamente estas linhas tenho certeza que seria um sussesso…….

  17. Adoro essas peças principalmente a Gravatinha…quem tiver disponivel para venda tenho interesse me contate pelo whats 47-99136-0565

  18. Deu saudades. Trabalhei lá na brasividro. Posso dizer que foi a fase mais feliz da minha vida

    1. Ano passado encontrei para vender no MercadoLivre um jogo de jantar na caixa lacrado (por uma pechincha) e o vendedor tinha varias unidades (me arrependi de só ter comprado 1 caixa) da linha de florzinhas azuis “Aquarius” (são lindas miosotis …posteriormente descobri que são cópias do design original da Pyrex : forget-me-not “spring blossom” verde ) Amo termorey , me lembra da infância ..minha mãe tinha varios pratos com estampas diferentes ..eramos pobres , mas a alegria de comer naqueles pratos era imensa !

    2. Também bateu saudade, pois me orgulho de ter trabalhado na BRASIVIDRO, fazendo parte de um time que cooperou com o crescimento dela no mercado externo.
      Alair Medeiros

  19. Eu tenho muitos pratos desse marcar que meu avô tinha comprado nos anos 70 e não sabia da sua história e do seu valor termo-rey é uma marca de excelente qualidade , nota 10 mesmo, daquela que não se faz mais como antigamente

  20. Então eu tenho uma relíquia de louças termo rey gravatinha laranja 12 pratos razos, 12 pratos fundos, 12 pratos basias, 2 travessas……. que bom isso

  21. Minha mãe teve todas as louças …Quando ela faleceu sumiram ,restando só meia dúzia de prato s rasos. Meu sonho consegui todo jogo de Novo.

  22. Tenho pratos rasos,fundos,pratinhos de sobremesa,uma xícara pequena e açuecareirol

  23. Eu tenho um conjunto dessas 3 tigelas com detalhes laranja que eram da minha mãe e uso com muito carinho.

  24. Por favor voltem a fabricar sou louca por um jogo completo da termo Rey da gravatinha laranja

  25. Olá, tenho 4 peças Termo Rey com decoração em tons de azul que nao vejo em lugar algum, gostaria de saber qual a razao de nao haver registro desse modelo.

  26. Nossa, eu lembro que ficava na casa da minha avo vendo essas xicaras e ficava fascinado nos desenhos, dias atras quebrei duas xicaras de cha que minha mulher herdou da avo dela :/

  27. Ola….eu queri mt comprar estas lindas loucas…Nos tínhamos qdo eu morava em casa …agora tenho algumas pecas e quero mt comprar…pf me ajudem a encontrar…queri deixar para minha neta…obrigada

  28. Bom dia . Eu tenho pratos da Termo Rey deixados pela minha mamãe .e laser vão mais de 50 anos com os detalhes em verde. Tenho maior carinho por eles. Parabéns pela grande história
    .Maria Romilda Pascoski.

  29. Eu tenho gentemmmmm tenho.o.acucareiro a tigela e os.pratos um de cada era da.minha bisavó

  30. Boa tarde , tenho algumas peças na minha casa, era da minha avó,e guardo até hoje , são lindas mesmo.

  31. Trabalhei na equipe de desenvolvimento de produtos da Brasividro no Rio, junto com a Gerência Técnica, no período de 1981 a 1982. E até hoje, sinto saudades das amizades que fiz lá. A Brasividro para mim foi uma verdadeira escola não apenas referente à tecnologia do vidro, mas, principalmente, na vida. Bons amigos deixei lá. Eng. Nilton, os projetistas Eduardo, Davi e Adilson a secretária josélia, O pessoal do acabamento e qualidade Eng. Humberto, Valdir, Everardo, Cabral da usinagem e tantos outros… Muitas estórias…

    1. Eu e minha mãe temos até hoje 2 peças do aparelho da Goyana, fábrica na Anhanguera. De plástico e cor laranja, a travessa rasa tem listras, nunca mais vi. Meu pai ganhou o aparelho completo em 1969, ele trabalhava em restaurantes. Minhas receitas preferidas ficavam melhor nas tigelas de plástico, que eram elegantes nos anos 70, incluindo as xícaras com pires.

  32. Eu ainda tinha uma xícara Termo Rey laranjinha. Quebrou não tem muito tempo. Agora tudo isso é peça de coleção, ficou muito caro, senão eu compraria o conjunto completo de novo.

  33. Meu sonho é comprar um conjunto de xícaras termo rey
    Como faço pra encontrar?
    Lembra muito minha infância

  34. fizeram parte da minha infância eram presente chique dado nos casamentos, este modelo com trabalho laranja uma amiga comprou o aparelho de jantar completo para o seu enxoval,ela mostrava com muito orgulho,eu tinha 7ou8 anos até hoje me lembro com saudades…

  35. É muito bom saber um pó da história do termo Rey, minha vó usou esses produtos, e gostaria de tivesse condições de adquirir a coleção.

  36. Como gostaria de conseguir comprar um conjunto desse … Me remete a minha infância e a falta q minha mãe faz …
    Ela tinha o maior ciúmes do conj. dela..
    Se souber como conseguir um conjunto desse me avisa por favor …
    Obrigada

  37. Lembrei da minha infância. Quanta saudade. Onde posso achar essa louça? Apenas artigos de antiguidade ?

  38. Hoje mexendo num quarto abandonado num sítio, encontrei travessa ovalada com esses desenhos laranjas. Muito linda!
    Lavei e já trouxe pra minha casa.
    Por isso que busquei informação na Net.
    Depois vou garimpar mais e te conto.
    Abraço…

  39. Sou louco por antiguidade e a termo rey e uma so q para comprar estas belissimas .a galera cobram muito caro a fabrica deveria voltar como tudo acontece no brasil .comeca e acaba..como eu queria formar uma colecao da tee o rey .fabiotautsohn@yahoo.com.br me de um sinal ai gente…obrigado

  40. Gostaria de ter um jogo de xicaras da termo rry um sonho desde quando era mas nova . Parabens pela historia e por dua coleção

  41. Nossa que saudades… Tenho o conjunto de loucas, que era da casa da minha mãe …. até marquei vcs no insta…

  42. Maravilha !!

    Poderiam voltar a fabricar essas pequenas joias…
    Eu ainda tenho uma tigelinha com detalhes em laranja, que pertenceu a minha saudosa mae!!

  43. Gostei muito da matéria que me fez voltar no tempo pois trabalhei na indústria logo no seu começo (1970) e tornou-se uma escola de Administração. Participei da escolha das estampas e pude constatar o incêndio no depósito de papelão e um acidente grave de um dos funcionários.
    É lamentável que teve um final que não era do desejo dos funcionários.
    Como professor de Administração sempre que posso cito a indústria como exemplo.

  44. Excelente a matéria apresentada principalmente no meu caso que trabalhei na indústria logo no seu começo (1970) tornando-se uma escola de Administração. Participei da seleção das estampas, da instalação do primeiro computador IBM/3 modelo 6, do concurso entre as filiais, das mudanças de presidentes e, infelizmente do incêndio no depósito de papelão sem que o sistema de combate a incêndio funcionasse por falta de pressão na água. Foi uma experiência que tornou-se tema das minhas aulas de Administração.
    Muitas histórias alegres e tristes ainda poderia contar mas o espaço é curto.

Deixe um comentário!

%d blogueiros gostam disto: