Palacete Paraíso

Figura de grande importância para a história de São Paulo, Rizkallah Jorge Tahan foi fundador da famosa e até hoje de portas abertas Casa da Bóia. Ele também foi extremamente relevante no cenário da construção civil nas décadas de 1920 e 1930 período em que ergueu em São Paulo três importantes edifícios que até hoje são ícones arquitetônicos da cidade.

Na foto: Rizkallah Jorge (Acervo da Casa da Bóia)

Um deles já e que já publicamos aqui é o Palacete São Jorge. Já o outro, que iremos abordar aqui hoje, fica diante desse que acabei de mencionar, é o Palacete Paraíso.

Construído nos últimos anos da década de 1920 o Palacete Paraíso está localizado no número 301 da Rua Carlos de Sousa Nazaré e é composto de seis pavimentos destinados ao uso residencial. Além disso no piso térreo, junto à calçada, existem seis pontos comerciais (de acordo com o projeto arquitetônico originalmente eram 10). O projeto de construção do Palacete Paraíso foi do engenheiro Placido Dall’Acqua.

clique na foto para ampliar

Originalmente o projeto do edifício era para ser destinado totalmente para a renda de aluguel. Naquela época era bastante comum que pessoas com grande capital disponível erguessem empreendimentos como este edifício e destina-lo quase que integralmente para renda. O que garantiria um ótimo sustento financeiro para o investidor e posteriormente para seus familiares. São notadamente conhecidos por fazer edifícios para renda, além de Rizkallah Jorge, as figuras do Comendador Martinelli, Nhonhô Magalhães e José Paulino.

Anúncio de Placido Dall´Acqua em jornal de 1929

Apesar de também “beber” na fonte do ecletismo tal qual seu vizinho, o Paraíso é um tanto quanto mais simples em suas linhas arquitetônicas se comparado ao Palacete São Jorge. Apesar disso algumas coisas se repetem em ambos os edifícios, como as inscrições “RJ” iniciais de Rizkallah Jorge na porta de entrada e o próprio estilo do portão.

No caso do Palacete Paraíso destaca-se no alto do prédio o frontão também com a inscrição RJ (veja foto na galeria), remetendo ao construtor do edifício. O Paraíso também é tombado como patrimônio histórico paulistano.

Palacete São Jorge (à esquerda) e Paraíso (à direita) um ícone de São Paulo diante do outro (clique para ampliar).

Atualmente a maioria das unidades do Palacete Paraíso já foram vendidas e não fazem mais parte do espólio deixado por Rizkallah Jorge, entretanto ainda existem unidades no nome de descendentes. Tanto neste palacete como no vizinho é notável a grande quantidade de chineses que residem.

Veja mais fotos (clique na miniatura para ampliar):

Compartilhe este texto em suas redes sociais:
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
Siga nossas redes sociais:
pesquise em nosso site:
Cadastre-se para receber nossa newsletter semanal e fique sabendo de nossas publicações, passeios, eventos etc:
ouça a nossa playlist:

11 respostas

  1. Douglas, sabe me dizer se este edifício conserva o vitral visto ao fundo a partir da porta de entrada? Tive uma colega de música, a Valéria, que morou com os pais dela num dos poucos apartamentos que preservam os elementos originais.

      1. Que ótimo! Na época em que fui colega da Valéria, ela me contou que alguns moradores queriam cobrir o vitral com uma parede de tijolos. Acho que podia ser acrescentada uma foto pegando todos os detalhes.

  2. Minha Sogra quando casou (1961) morou em um apartamento neste prédio. Veja o comentário dela: “- Era uma delícia, 3 dormitórios 1 sala boa, 1 banheiro enorme , cozinha boa e uma área de serviço ótima .

  3. Excelente registro desse edifício e outros que você vem fazendo !! É muito importante a manutenção da história de São Paulo atravéz de suas edificações, são valiosos registros para que futuras gerações entendam como e porque a cidade se desenvolveu. Parabéns pelo trabalho!!

    Como você deve saber, o Pico do Jaraguá, com 1300 m de altitude é o morro mais alto da cidade de São Paulo. Ele tem uma história muito importante para a cidade, pois desempenhou o papel , na época do Bandeirantes, de sinalizador da proximidade da cidade e até hoje ele aparece em todas as fotos tiradas na direção oeste da cidade.
    Nunca me conformei com a instalação de uma torre de transmissão no seu cume mais alto. Ali deveria ser colocada uma escultura simbolizando a cidade de São Paulo, o Estado e o Brasil.
    Na minha opinião, merece ser dada a largada para uma campanha para remoção da torre e concomitante abrir uma concorrência entre artistas brasileiros para apresentação de uma escultura para aquele local. Veja, por exemplo, a belíssima obra da Tomie Otake colocada Santos !! Um show !!

    Abraços
    Nelson Malta Neto
    nelsonmalta09@hotmail.com

  4. Uma curiosidade: será possível disponibilizar aqui uma foto da planta do modelo de apartamentos do prédio? A descrição de Paxson desperta interesse quanto ao aspecto estético da época.

  5. Excelente artigo. Uma lição didaticamente bem escrita. Uma história e memória para quem gosta de arquitetura e história.

  6. Um trabalho de capital importância para os que pretendem conhecer com maior profundidade a história da cidade e do País, pois o desenvolvimento econômico, urbano e social de São Paulo tiveram influência para outros sistemas de urbanização e desenvolvimento do Brasil.
    Parabéns ao autor das verdadeiras preciosidades sobre a grande metrópole paulista.
    Moacyr

  7. Por favor Simplifique o modo de acesso para comentários e/ou para um “Like”! Por exemplo senhas automatizadas.

  8. Prédios que são marcos de uma época da construção civil e de empreendedorismo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.