Museu do Crime da AIPESP

Crime do poço, crime da mala, crime do Padre João, os assaltos do intrépido Meneghetti. Estes são apenas alguns dos inúmeros, tenebrosos e curiosos crimes que estão catalogados em um dos mais interessantes museus paulistanos e que fica localizado na região central de São Paulo, no bairro da Luz: O Museu do Crime.

clique na foto para ampliar

Em um pequeno mas bem cuidado e organizado espaço dentro da Associação dos Investigadores de Polícia do Estado de São Paulo (AIPESP), o Museu do Crime permite ao visitante viajar a fundo na história do crime em São Paulo, através de quadros, fotografias, documentos, armas antigas, distintivos e diversos utensílios policiais utilizados pela polícia paulista desde o início do século XX.

Dr. Milton Bednarski, criador e curador do Museu do Crime (clique para ampliar).

No local é possível conhecer a fundo tragédias que marcaram a Cidade de São Paulo como o crime do restaurante chinês, a tragédia do Cine Oberdan, o incêndio do Edifício Andraus o crime da Rua Apa e muitos outros, que a população nem sabe que existiu mas que são igualmente assustadores.

O acervo do Museu do Crime é obra do Dr. Milton Bednarski, criador e curador do museu e que cujo acervo é fruto de mais cinco décadas dedicadas à pesquisa e a catalogação do rico material disponível no museu.

Por lá é possível descobrir curiosidades sobre alguns dos crimes mais conhecidos de nossa cidade, como por exemplo o fato de que o famoso “Crime da Mala” de 1928, onde Giuseppe Pistone assassinou Maria Fea e tentou enviá-la despedaçada dentro de uma mala em um navio para a Europa não foi o primeiro crime do gênero.

Em 1908, duas décadas antes do crime da mala mais famoso, o imigrante Michel Trad assassinou seu então sócio Elias Farah, no que ficou conhecido como o primeiro “crime do mala”.

O trágico “Crime da Mala” é um dos crimes mais procurados pelos visitantes

Localizado há menos de 100 metros da Estação da Luz, o Museu do Crime é uma ótima pedida para aqueles que querem conhecer um pouco mais do passado paulistano através de seus mais famosos crimes e tragédias. O museu tem entrada franca e fica aberto de segunda a sexta.

Abaixo algumas imagens do museu (clique para ampliar):

ATUALIZAÇÃO – 09/01/2019:

Vários leitores do São Paulo Antiga escreveram para nós nas últimas semanas de 2018 e também no início de 2019 informando que o museu ou está fechado ou não existe mais. Estas pessoas não estão conseguindo ver o local e nem mesmo obter informações corretas sobre o espaço.

O São Paulo Antiga contatou a AIPESP (Associação dos Investigadores de Polícia do Estado de São Paulo), responsáveis pelo museu, para saber qual a real situação do espaço expositivo.

Esperamos que seja algo temporário. Tão logo recebermos a resposta atualizaremos esta reportagem.

Serviço:

Museu do Crime
Avenida Cásper Líbero, 535 – Luz
Telefone: (11) 3228-7489
Horário de Funcionamento: Segunda à Sexta das 08:00 às 17:00hs
Grátis

Compartilhe este texto em suas redes sociais:
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Siga nossas redes sociais:
pesquise em nosso site:
ouça a nossa playlist:

51 respostas

  1. Gostaria de obter informações sobre o crime praticado pelo italiano que emparedou seus filhos, frutos de incesto, narrado em reportagem publicada em O Estado de S. Paulo de 29/01/2012.

  2. Muito legal esse museu…diferente! SO um detalhe: o assasinato de Maria Fea por Giuseppe Pistone e a tentativa frustada de enviar seu corpo esquartejado a Europa nao teria sido o crime da mala?

      1. Na verdade, Michel Salin Trad era sírio. Ótima matéria, pretendo ir esse ano mesmo ao museu do crime (aliás, nos dois, nesse e no da cidade universitária).

  3. Douglas,pode dar uma sugestao? Seria muito interessante um artigo sobre Paranapiacaba,um local que visitei no ano passado e fiquei envolvido pelo seu misticismo e por sua historia…Tanta historia e tanto descaso!Abraços…

    1. Poem descaso nisto Rinaldo Dalan!… Paranapiacaba deveria ser cuidado como uma relíquia. Um trabalho maravilhoso dos ingleses e o nossos governantes medíocres, incompetentes e corruptos deixando aquilo se acabar.
      O trecho de estrada de ferro funicular desde Paranapiacaba até Cubatão, desde que criaram a cremalheira, está quase que totalmente destruída pela ação do tempo. Poderiam os dois trechos estarem funcionando. Desde que houvesse boa vontade do governo! O que estão fazendo com esse trecho funicular e com a cidadezinha de Paranapiacaba, é um crime!

  4. Quinta-feira tive que resolver um negócio no centro e acabei passando no museu que é sensacional. Conheci graças a matéria deste site de conteúdo único. Infelizmente, na ocasião não encontrei o sr. Milton. Acredito que irei voltar lá mais vezes. Uma pena que as pessoas não conheçam esse museu, espero que vocês divulguem outros espaços culturais na cidade como esse.

  5. Douglas,gostaria de dar a sugestão de visita ao outro museu do crime, este maior e com mais acervo,embora não tão bem cuidado.
    Ele fica na cidade universitária da USP, dentro do predio da ACADEMIA DE POLICIA.Vale a pena conferir!
    E uma pequena correção em seu texto,os crimes mencionados são os “crimes da mala” e não “crime do po
    ço” como constou,dê uma confiridinha e edite,OK?.

  6. Fala Douglas,espetacular as matérias,eu e minha esposa somos apaixonados por historia,e aqui achamos muito o que estudar,parabens pelo trabalho.

  7. Excelente matéria, não moro em Sampa mas em pesquisa achei este ótimo site.
    Pena que hoje os crimes já não chocam tanto, está se tornando banal a criminalidade.

  8. Achei muito interessante esta matéria acerca do Museu do Crime. Este, próximo à Estação da Luz eu ainda não conheço, porém visitei duas vezes o Museu do Crime na Cidade Universitária, pois prestei concurso para delegado de polícia em 2007 e 2008 e as provas foram na USP, logo não resisti e confesso que fiquei encantada com o acervo dos museu, sobretudo a simulação da cena do crime no maníaco do parque.

    Parabéns pela matéria Douglas.

  9. É uma pena que o acervo não é aberto ao público. Está disponivel para visitação apenas de policiais. Fiquei triste quando tive a informação, pois este artigo indica o museu como ponto turistico.

  10. Hola mi nombre es Daniela Coronel, soy de Argentina, conozco al Dr milton Bednarski, somos amigos , yo perdi contacto con el , y quisiera saber si podrian enviarle a el mi num en Argentina para que se comunique ,4266751-celular 155721669 o mi correo danifarm_79@hotmail.com , gracias

  11. Boa noite,

    alguém sabe algum hotel proximo? Sou do RJ quero aproveitar e visitar outros lugares…

    obrigada

  12. MENEGHETTI FOI UM LADRAO MUINTO AUDACIOSO NA SUA ÉPOCA.PARA INTENTAR SEUS ROUBOS,PORTAVA SEPRE UMA CADELA NO CIU E A COLOCAVA A DISPOSICAO DOS CACHORROS EXISTENTES NA PROPRIEDADE E COM ISSO EFETUAVA OS ASSALTOS TRANQUILAMENTE.NESSA MESMA ÉPOCA DOSI OUTROS LADROES SE DESTACAVAM : O SETE DEDOS E O PROMESSINHA.

  13. Seg a sex. das 8h as 17hs…. ou seja, quem trabalha como uma pessoa normal e honesta não pode visitar o Museu.

    1. Também acho que deveria ter um horario alternativo, como sabado de manhã por exemplo.

  14. Gostei da matéria, principalmente porque curto livros de conteúdo policial e horror…
    Prometo que lerei os artigos com mais calma e deixarei meu(s) comentários, e deixo aqui meus parabéns.

    the Osmar.

  15. Uma das pessoas mais ricas em conhecimento policial do Estado de São Paulo Dr. Milton, o qual tive a oportunidade de conhece-lo e partilhar um pouco de suas histórias e acervo pessoal.

  16. Muito legal o museu do crime.
    Acho no entanto que as salas do museu deveriam ter nomes de políticos tais como Paulo Maluf, José Sarney, Lula e Celso Pitta. Ficaria mais coerente!

  17. Meneghetti eu conheci morava na rua concelheiro Nebias entre a rua dos gusmoes e rua vitoria ele tinha a abilidade de andar pelas marquises dos edificio e escalava grandes alturas nesta epoca eu tinha entre 9 a 10 anos e brincava proximo a sua casa

  18. Bem que este museu poderia abrir em horários que todos pudessem visitar.
    Horário comercial fica difícil né.

  19. Olá Dr. Milton Bednarski, gosto muito do seu trabalho São Paulo Antiga. sou filha do Alaor Bednarski (falecido)gostaria de um contato com o senhor para saber mais sobre a família meu telefone é 0112589-0317 desde já agradeço sem mais Alair

  20. PELAS SUAS INFORMAÇOES O MUSEU E ABERTO AO PUBLICO MAIS ISTO PARECE QUE NAO FICOU BEM CLARO VOCE PODE ME CONFIRMAR.

  21. Trabalho durante a semana e tenho enorme interesse em visitar o museu, porém só poderia aos finais de semana. Não há exceções para abertura do museu em feriados ou finais de semana?
    Aguardo

  22. Qual é o verdadeiro museu do crime? Este localizado na luz ou o da polícia civil localizado na cidade universitária?

      1. Vou muito bem Douglas, obrigado por perguntar e agradeço pelo esclarecimento, sem duvidas irei visitar ambos. Abraços.

  23. A gente recebe algum comprovante, bilhete para comprovar a visita? É que eu tenho horas complementares da Faculdade….

  24. Fui hoje e fui informado pela moça do balcão que o MUSEU DO CRIME fica na USP, ao lado da Academia de Polícia, aí na Casper Líbero pelo que fui informado só existe uma sala com algumas fotos, que nem pude entrar porque me disseram que estava em reforma.

  25. Boa Tarde Douglas.
    A tempos gostaria de visitar o museu, e acho que teria a oportunidade em breve.
    Sou estudante de Direito e gostaria de aproveitar a oportunidade para fazer uma visita orientada, para o caderno de pratica de conclusão do curso. Existe essa possibilidade ?
    Obrigada desde já.

  26. Olá Douglas Nascimento. Preciso saber de um crime que aconteceu em SP capital em que foi servida num restaurante uma Coca Cola com ácido. Lembro que um cliente bebeu um gole inteiro e morreu imediatamente. O outro, teve mais sorte, pois não engoliu , mas furou a língua e a parte de baixo da boca. Vc sabe precisar a data ? Pois nada encontro. Muito obrigado.

Deixe um comentário!

%d blogueiros gostam disto: