Casarão e Sobrado Demolidos – Rua Coriolano

Recentemente comentamos aqui que alguns anos atrás o leitor Fernando Lemos doou para o Instituto São Paulo Antiga uma série de imagens que ele fez na região Lapa, Pompeia e Vila Romana e aos poucos estamos classificando e colocando em ordem para publicação.

Muitas construções fotografadas sequer existem mais, enquanto outras foram desfiguradas e muitas outras preservadas. A primeira que colocamos aqui felizmente ainda existe e está localizada na Rua Caio Graco. A dupla de hoje está (ou melhor, estava) bem perto desse.

Localizados nos números 833 e 839 da Rua Coriolano, na Vila Romana, estes dois imóveis – um casarão e um sobrado – ocupavam o mesmo terreno. Uma consulta na base de dados do IPTU paulistano inclusive confirma que ambos os imóveis pertenciam ao mesmo proprietário, Thomaz Mello Cruz.

O nome do proprietário é bem interessante pois, salvo se for um homônimo por completo, trata-se do falecido proprietário da Pedreira Morro Grande, em Mairiporã, e do museu MAITC (Museu de Arqueologia Industrial Thomaz Cruz), no mesmo município. Este museu por sinal era (ou ainda é ?) muito interessante, como locomotivas, vagões e máquinas industriais. As informações é que ele está fechado há alguns anos.

crédito: Fernando Lemos (clique na foto para ampliar)

Apesar do imóvel estar no nome dele, não foi possível apurar se o mesmo residiu neste elegante casarão que, infelizmente nos últimos anos encontrava-se bastante deteriorado e em situação de abandono, embora não estivesse abandonado de fato.

Junto com ele, ao lado, um outro sobrado, menor, estava no número 833. É possível observar que ambos ocupavam de fato o mesmo lote pois eles tinham em comum também o quintal, que dava acesso entre as casas ao fundo de ambas as construções.

O sobrado menor também estava em acelerada decadência e, como podemos constatar na fotografia abaixo, apesar disso poderia ser recuperado facilmente pois ambos não estavam em um grau muito grande de deterioração.

Esse sobrado dá a aparência de ser bem mais recente que o casarão. Embora não tenha sido possível datar a construção maior, este menor consta como sendo de 1963. Ano compatível com o padrão arquitetônico dele.

crédito: Fernando Lemos (clique na foto para ampliar)

Contudo nada disso foi suficiente para mantê-los de pé (as fotografias são do ano de 2010). Já no ano de 2011 ambos foram demolidos e em seu lugar foi construída uma agência bancária da Caixa Econômica Federal. A fotografia abaixo, extraída do Google Street View, mostra como está o local atualmente.

clique na foto para ampliar

Uma pena que nem ao menos o casarão tenha sido preservado, pois observando a agência construída em seu lugar dá pra ver que o imóvel antigo, uma vez reformado ou restaurado, abrigaria muito bem a agência bancária, tal qual outras que encontros nas Avenidas Angélica e Paulista, por exemplo. Mas, infelizmente, sempre decidem pelo mais fácil.

Compartilhe este texto em suas redes sociais:
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
Siga nossas redes sociais:
pesquise em nosso site:
Cadastre-se para receber nossa newsletter semanal e fique sabendo de nossas publicações, passeios, eventos etc:
ouça a nossa playlist:

10 respostas

  1. uma tristeza, era antigo se ve riqueza na arte detalhes. Infelizmente tem cidades q preservam aqui em SP nunca encontramos quem preservasse ou tombasse raridade.

  2. Tres artigos hoje…

    O da Alameda Gabriel Monteiro da Silva, 57, era, apesar da beleza do sobrado, inevitavel. A nova lei do zoneamento permite derrubar, mesmo em bairros como o Jardim America ( Cia City ), o que nao justifica, mas torna a queda proximo a Reboucas inevitavel ..

    Mas Vila Romana, francamente….

    E logo logo a agencia ira fechar, como muito delas tem sido encerradas. E que o investidor pague muito IPTU de propriedade vaga, como punicao por sua cobica.

    O casarao com tijlos expostos revelava um perfeicionismo e uma habilidade construtiva artesanal nao mais encontrados. Notem que a prumagem dos tijolos e impecavel, e as frises nas quintas, isto e uma mutilacao.

    Sao imoveis como o tal casarao que conferem um ar agradavel ao bairro, logradouro.

    E em outros lugares, valem pequenas fortunas para abrigarem abastados.

    Se nao acreditam, vejam estes….

    76 Washington Place-Greenwich Village New York, NY 10011
    https://photos.app.goo.gl/g8KqK3tLB7tpenJm8
    O predio acima, nao sao apartamentos. E uma moradia de uma familia

    https://photo240 East 68th Street,Lenox Hill, New York, NY 10065
    https.app.goo.gl/T9Ad6vVdUuXac7xD6
    novamente, uma moradia unica

    4 Grove Street, Greenwich Village, New York, NY 10014
    https://photos.app.goo.gl/gf4CRLrJDFvMFR5t6

    1720 N Sedgwick Street Chicago, IL 60614
    https://photos.app.goo.gl/xmwm9gduKisNWfqXA

    O terreno acima nao e loja, e parte da moradia. Frente para o meio fio.

    64 East 1st Street, Bowery, New York, NY 10003
    https://photos.app.goo.gl/SFWpAGdS9ATAjo1u9
    Eu coloquei umas fotos de como era o entorno na decada de 70. Vejam o constraste. A loira e a morena estavam a fazer o trotoir.
    Na Serie Vinyl do HBO, ha uma mencao de como ruim era a Bowery. Pensem Santa Ifigenia, era pior.
    https://youtu.be/zRYSVV54KHY
    https://youtu.be/GStPqqAoQKk

    Perolas aos porcos, digo eu

    Os burros da Parvonia, acomeditos de paranoia urbana, querem morar em caixas de sapato empilhadas, pagar condominio, aturar vizinho chato, compartilhar piscina, aturar reuniao de condominos.

  3. Douglas, mediante a destruição desenfreada causada pela especulação imobiliária, não seria possível um tombamento da cidade ou ao menos de algumas regiões, ou quiçá até uma revisão da lei de zoneamento?

    1. Emerson, pensei (quase) no mesmo, já que a Cidade ou Parte dela não pode ser tombada como um todo… depende também (e muito) do interesse dos proprietários / herdeiros das residências… e falando em herdeiros, muitas vezes (senão todas!), o patrimônio (arduamente) constituído pelos antepassados, náo é valorizado e acabam abandonados … (impostos?!). Agora, se a Municipalidade, o Estado, seja quem for, se interessasse em manter essas construções em pé, insentivando sua utilização tanto por moradores, como por alguma PJ (bancos, como vc escreveu acima), que poderiam ganhar algum insentivo fiscal (opa!), quem sabe… abs!

  4. Absolutamente desanimador ver irem abaixo esses casarões (especialmente) de italianos e descendentes na área da Lapa!

  5. Morar em São Paulo (aliás, no Brasil) está cada dia mais desanimador. O frenesi destruidor nunca poupou nada, mas de alguns anos para cá tornou-se ainda mais poderoso e cruel.

  6. Decisões equivocadas e pela lei do mais fácil, sempre quem sai perdendo é um povo que fica sem seus registros históricos e familiares.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.