Casa Antiga – Rua Coriolano, 366

Se existe uma região da zona oeste de São Paulo que é muito interessante para se morar é a Vila Romana. Apesar de Pompeia, Perdizes e Lapa também serem bairros deliciosos, a Vila Romana é a que mais me atrai por ali.

São os nomes das ruas, a dosagem equilibrada de comércio e residências e a grande oferta de transporte coletivo e, mais recentemente, ciclovias que me fazem ter um apreço especial pela vila.

E por ali existem também muitas construções antigas interessantes que sempre surgem aqui no São Paulo Antiga. Esta a seguir é um belo exemplo:

clique na foto para ampliar
clique na foto para ampliar

Localizada na rua Coriolano, esta residência antiga é um exemplo do esmero de arquitetos e construtores de outrora. Não que os de hoje não sejam, evidentemente, mas temos aqui nesta página um apreço especial pela arquitetura antiga.

Com um estilo que foi muito comum entre as décadas de 40 e 50, esta residência é praticamente a última sobrevivente deste trecho da rua Coriolano. A necessidade de sua preservação urge à medida que vemos que nos últimos quatro anos ela só degradou ainda mais.

clique na foto para ampliar
clique na foto para ampliar

As flores amarelas da árvore que está na calçada da residência mostram uma vida que o imóvel parece não mais ter. Uma rápida visita no Google Street View em 2011, quando a casa ainda era habitada, mostra que a deterioração só tem aumentado desde que seus moradores deixaram a residência.

Saiu o jardim repleto de vasos com flores e plantas para dar lugar apenas a um piso árido de cerâmica. As calhas, possivelmente entupidas por falta de limpeza, já tombam e em breve irão ao chão. Telhas também começam a desprender e, na fachada, vemos o vandalismo através de rabiscos e giz de cera e pichações com tinta spray. Por fim, na parede do lado direito vemos o que parece ser um resquício de incêndio.

clique na foto para ampliar
clique na foto para ampliar

Apesar disso a casa não parece estar abandonada, ou melhor, parece ter um dono. Ao menos é o que indica um papel afixado na entrada da residência, que pede que correspondências sejam entregues no imóvel ao lado.

É uma tristeza vermos um imóvel tão bonito assim, com um aparência de estar sem rumo. É bem verdade que hoje em dia está cada vez mais perigoso morar em uma residência como essa, com acesso fácil e muros baixos. Todavia é uma casa encantadora, e que merece melhor atenção.

A famosa Teoria das Janelas Quebradas se faz presente aqui. Enquanto tinha moradores estava intacta, mas bastou dar os primeiros sinais de estar vazia para surgir depredação e vandalismo.

Veja mais fotos deste imóvel:

Foto: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

Foto: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

Compartilhe este texto em suas redes sociais:
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Siga nossas redes sociais:
pesquise em nosso site:
ouça a nossa playlist:

13 respostas

  1. Salvo engano, visitei essa casa nos anos oitenta. O prédio do lado esquerdo não existia.

  2. Há bem pouco tempo esta casa estava, provavelmente, invadida. No jardim da frente havia uma montanha de lixo e vira e mexe eu via pessoas pulando o muro lateral e entrando na casa pelos fundos. Deram uma limpada na frente recentemente, por isso as marcas pretas na parede. Creio que resolveram pôr fogo naqueles resíduos que ficavam bem ali. É realmente uma pena vê-la assim.

  3. Que coisa… moro na região desde 2000 e não lembro dela?! Onde moro ora é chamado de Lapa ora é chamado de Vila Romana. Bom Vila Romana na realidade é um pedaço da Lapa. A minha casa é uma casa antiga, tem mais de 50 anos, fizemos uma reforma monstro, mas mantivemos a fachada (não está linda, mas está cuidada, isso acaba afastando possíveis ladrões tb… mas quem sabe num futuro com grana possa-se fazer a fachada). A única grande diferença foi que rebaixamos o piso 1m pra baixo (nivelamos, pq era a uma altura diferente conforme ia para o fundo) e juntamos a garagem com o porão par fazer uma sala (e derrubamos a edícula e refizemos toda a estrutura ligando com a parte da frente da casa. O mais legal é o piso original de madeira da ala antiga!

  4. Essa casa só precisa de pequenas adaptações à modernidade para se tornar própria para morar novamente, um exemplo é a construção de um muro alto com grades altas, mas no mesmo estilo desse, além de ver fiação elétrica e substituir o estuque por laje (se a casa ainda tiver estuque), mas demolir ela não.

  5. Moramos na Mooca e meu falecido avô materno era construtor. Juntamente com seus irmãos fizeram uma vila de casas nos anos 20, do século passado, pois era costume naquela época morarem próximos aos parentes…Ela continua firme e fortemente administrada por nós. Hoje são os inquilinos que tb. se empenham em mantê-la em ordem, tanto é que no mínimo habitam lá por 15 ou 20 anos. E assim preservaremos enquanto for possível!

  6. Realmente, olhando as fotos dá vontade de morar nessa casa.
    Curioso ver como a altura dos muros foram aumentando com o passar dos anos; pode-se até mesmo estudar o aumento na insegurança da população pela quantidade de camadas de tijolo, tal como um geólogo estuda a história da Terra pelas camadas geológicas.
    E pensar que era comum casas sem muro na frente, com as portas dando direto na calçada…

  7. Uma atualização não muito boa. Nesta semana passei em frente à referida casa e vi que ela está tapada por tapumes de ferro. Tendo em vista a construção de mais um prédio banal num terreno na rua Crasso (perpendicular à Coriolano), e que o imóvel ao lado da casa já foi derrubado e pertence à obra, formando um L, temo que as notícias daqui para frente não serão nada animadoras. Douglas, se puder averiguar…

Deixe um comentário!

%d blogueiros gostam disto: