A Cerâmica Pozzani e seus artefatos

Você tem alguma xícara antiga em casa? Pode ser uma de café ou chá que provavelmente pertenceu a algum parente e que agora decora seu armário. Procurou saber a procedência da peça? Pois bem, possivelmente é da marca Pozzani.

Pozzani – foto aérea (clique para ampliar)

Para entender a história da empresa, vamos voltar ao ano de 1913 quando foi fundada a Cerâmica Santa Josefina na cidade de Jundiaí. A empresa produzia louças domésticas e foi adquirida pelo italiano Francisco Pozzani em 1934.

Assim que adquiriu a Santa Josefina, Francisco Pozzani mudou o nome da empresa, mas não para Pozzani, marca que conhecemos hoje e sim para Cerâmica Carlos Gomes já que era o mesmo nome do endereço da fábrica.

A princípio a produção da Cerâmica Carlos Gomes consistia basicamente em velas para filtros de cerâmica. A ideia de produzir velas nasceu com a necessidade de arranjar água filtrada, pois o saneamento básico paulista ainda não era dos melhores e muitas pessoas acabavam contraindo tifo, o que ocorreu inclusive com um dos filhos de Francisco Pozzani.

Naquela época, os filtros eram importados, caros e consequentemente não era toda família que tinha condições de adquirir um. A partir do momento que filtros e velas são fabricados no Brasil, barateia-se o custo e mais pessoas passar a ter acesso à água filtrada ficando livro sem receio de beber e consumir.

Já no final da década de 30 a Cerâmica Carlos Gomes – futura Pozzani começou a produzir cerâmicas domésticas como jogos de café e chá, bules e sopeiras.

Sopeira produzida pela Cerâmica Carlos Gomes. Abaixo das iniciais CCG observamos o nome Pozzani.

Não encontrei o ano da mudança do nome Carlos Gomes para Pozzani. O fato é que a empresa cresceu e passou a deter um dos mais amplos e variados catálogos de refratários, bules, xícaras de café e chá, canecas, açucareiros, leiteiras e filtros. Rapidamente a marca caiu no gosto dos consumidores brasileiros.

Seguindo o sucesso dos filtros de cerâmica e acompanhando a evolução dos modos e costumes da dona de casa, a Pozzani na década de 50 lançou o Decloragua, filtro que seria ligado diretamente ao cano de água da parede.

Publicidades diversas dos filtros Pozzani em jornais (clique para ampliar):

As peças da Pozzani chegaram a ser exportadas para alguns países da América do Sul como Argentina e Uruguai sempre ostentando a cidade de Jundiaí no fundo dos refratários. Com o passar dos anos Jundiaí foi sendo substituída pelo termo “Made in Brazil”.

A Pozzani chegou a ter em torno de 1000 funcionários e consequentemente movimentou a economia de Jundiaí durante anos. Infelizmente em meados da década de 90 a empresa começou a passar por dificuldades financeiras e o quadro de funcionários foi caindo gradativamente.

Naquele que foi seu último suspiro de sobrevivência a Pozzani, em 2003, até então era uma empresa familiar, foi vendida para um grupo de investidores e passou a se chamar IBAC – Indústria Brasileira de Artefatos Cerâmicos.

Infelizmente a empresa não durou muito após sua venda. Depois de quase 80 anos de funcionamento a Pozzani encerrou suas atividades.

A edificação fabril da Pozzani em 2018 (clique para ampliar)

O que vemos hoje é um total desrespeito a memória industrial de Jundiaí. O que resta da empresa está indo embora aos poucos e sem perspectiva de volta. No lado trabalhista a Cerâmica Pozzani simplesmente baixou as portas decretando falência, sem pagar os direitos trabalhistas de seus funcionários¹.

O que resta é lamentar ao ver a antiga cerâmica. A empresa que levou o nome de Jundiaí para os lares brasileiros e estrangeiros está abandonada e deteriorando-se a cada dia que passa

O que ainda resiste dos tempos áureos é a caixa d’água que ostenta o seu nome Pozzani para os quatro cantos da cidade.

Nota:

¹ – São Paulo Antiga entrou em contato com o advogado que representa (ou representou) os trabalhadores da Pozzani, porém não obtivemos retorno.

Galeria – Conheça alguns dos produtos da Pozzani (clique na foto para ampliar):

Curiosidades:

  • A maioria dos conjuntos da Pozzani levava nomes de mulheres como Rosicler, Simone, Violeta, Rosana, Roseli e Acácia.
  • Meados dos anos 2000 a empresa criou o Instituto Pozzani Arte em Porcelana onde ministrava cursos de pintura em porcelana para várias cidades e estados.
  • Pozzani possuía uma linha 0800 para atender seus clientes. O número era 0800-119229. Ligue para ouvir a mensagem.

Agradecimentos:

  • Fábio Carvalho e seu incrível site Porcelana Brasil www.porcelanabrasil.com.br
  • Rodrigo Tuba de Almeida – Arquiteto e Urbanista
  • Marco Antônio e Jadson do Centro de Memória de Jundiaí
Publicidade porcelanas Pozzani (Ano 1994)
Compartilhe este texto em suas redes sociais:
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Siga nossas redes sociais:
pesquise em nosso site:
ouça a nossa playlist:

39 respostas

  1. Talvez o sr. Enison Pozzani, um dos últimos executivos da empresa até a venda, possa dar mais alguma informação sobre o assunto.

  2. PARABÉNS pelo artigo! Adorei! Muito bem escrito, prende nossa atenção, texto leve mas muito informativo.

    1. Tenho um jogo de café da pozzani que ganhei da minha tia!
      Ela ganhou de casamento a mais de 40 anos e esse ano meu deu.

  3. Não sabia que a Pozzani tinha fechado as portas de tão onipresente que ela foi nos lares e restaurantes brasileiros no Século XX. Acho que em muitos lares há ainda atualmente algum item de porcelana dela, nem se for um cinzeiro usado ocasionalmente quando vem visitas.

    1. Meus pais foram funcionários da Pozzani, se conheceram lá casaram logo saíram de lá, eu entrei na indústria com 18 anos sai aos 25 anos. Qd casei e tive meu primeiro filho ainda era funcionária . Fiz muitas amizades boas . Trabalhar na Pozzani era uma espécie de terapia fui muito feliz naqueles anos. Sdds imensa da época

      1. Adriana seus Pais trabalharam na Pozzani? Estou à procura de pessoas que possam ter trabalhado ou conheçam pessoas que trabalhou no processo de fabricacao de velas para filtros. Favor entrar em contado por e-mail ou Whats app, samuelzeviane5@hotmail.com ou 16-997887021

  4. Tenho um conjunto dw chá q herdei da minha avo, ainda com o nome Jundiaí. Só não consigo encontrar outras peças com a mesma pintura. Uma rosa vermelha. Se alguém tiver informações de como posso encontrar, eu agradeço a correspondência.

    1. No Facebook tem um grupo só porcelana
      Lá tem várias pessoas vendendo se quiser mais detalhes é só me chamar que te indico Beatriz Alvarenga

  5. Meu tio que, curiosamente, se chamava Carlos Gomes, foi representante Pozzani na região de São Carlos, SP, no início dos anos 80. Gde época!

    1. Glaucia, muito boa sua matéria. Parabéns pelo trabalho. Fico feliz de ver a memória de minha Família relembrada.

  6. Procuro pessoas ou alguém que conheça quem possa ter trabalhado um dia na produção de velas da ceramica Pozzani, favor entrar em contato através do tel 16-997887021

  7. Nós brasileiros temos a memória curta e tbm não damos valor a nossa historia.

  8. Minha avó deu uma miniatura de um bule em louça dourada para a primeira neta que se casou, no caso eu, era o “bulinho de ouro” que nos encantava na cristaleira durante a infância. Estávamos tentando saber a idade do mesmo,a origem, vou mandar dar um banho de ouro está desbotado pelo tempo.

  9. Estou procurando a leiteira a menor na cor azul meu sonho , não encontro em lugar nenhum meu zap 11997958663

  10. Meu nome é Vera, tem um bule, um açucareiro e uma leiteira q leva o nome POZZANI, sao reliquias de minha falecida mae, gostaria muito de ter o restante o jogo. Valeu pela historia.

  11. Muito interessante, minha mãe ainda tem algumas peças dessa marca, foram presentes de casamento em 1976.

  12. Amei esta reportagem. Me casei em setembro de 1973 e ganhei um conjunto de chá da porcelana Pozzani de um padrinho. Tenho-o ainda na minha cristaleira. Usei até recentemente quando 3 xícaras se quebraram e eu não encontrei peças para reposição. Então resolvi guardá-lo como recordação do meu padrinho que já faleceu. Marli Andrade é o meu nome e moro em Campinas atualmente.

  13. Prezados, bom dia!
    Amei saber a História da Pozzani, tenho várias peças e amo essa louça.

  14. Meu pai é vivo, atualmente com 93 anos, trabalhou na Pozzani nos anos 40 muito antes de se casar, ele é ceramista e pintor artistico , função esta que exercia na Pozzani ( nome dele Renato Costa )

  15. Uma pena que eles não se atualizaram e seguiram a linha da Porto Brasil, Alleanza, entre outras. Perderam uma jóia. 🙁

  16. Queria conseguir completar meu jogo! Ia set incrível uma edição limitada com oportunidade de unir as peças que faltam :'(

  17. Gláucia, parabéns pelo artigo publicado. Como tenho algumas peças herdadas de minha amada avó Herminia, adorei conhecer a história destas porcelanas que guardo com muito carinho. Abraços Daniela Guerrero.

  18. Boa tarde! Preciso de duas tampas e duas alças para duas jarras Pozzani que tenho. Tentei em vários veículos de comunicação. Em vão. Tem alguém que possa me ajudar? Grata, Irene Thal Brambilla, (11) 999 028 016.

  19. Fui procurar filtro de barro pozzani para substituir o meu de anos de uso. Aí me deparei com toda essa história fantástica.
    Que pena. Não poderei substituir.
    Mas fico feliz com o trabalho da historiadora.
    Parabéns.

  20. Comprei ontem uma leiteira da pizzaria percebeu assim que adquiri a antiguidade!

  21. Tenho um blue um açucareiro e a jarrinha de leite com a escrita de quando era pozzani Jundiaí

  22. Tenho 5 chacaras de café de l946 é tenho jogo de travessas refratária de 1976

  23. Faço coleção de louças antigas e tenho inúmeras peças da Pozzani que é a minha marca preferida.

Deixe um comentário!

%d blogueiros gostam disto: