A história do Viaduto Boa Vista

Um símbolo da Cidade de São Paulo completa 80 anos neste domingo, o Viaduto Boa Vista. Apesar de ser relativamente curto e quase não ser notado por quem passa sobre ele diariamente, este pequeno e belo viaduto foi inaugurado poucos dias antes da Revolução de 1932 e é o grande marco da gestão do Prefeito Goffredo Telles, que só governou a cidade naquele fatídico ano.

A importância desta obra viária não pode ser medida pelo seu tamanho, mas sim pela enorme praticidade que sua construção trouxe para a locomoção de pessoas, bondes e automóveis no centro de São Paulo a partir daquele ano.

Ao ser construído ele resolveu o grande problema que era ir da região das ruas Florêncio de Abreu e Santa Ifigênia até o então Palácio do Governo que ficava na Praça João Pessoa (atualmente Páteo do Colégio), pois a Ladeira General Carneiro, dificultava a ligação. Para isso, ele foi construído deixando a conhecida ladeira intacta por baixo do viaduto.

A obra começou a ser planejada em 1914 e só ira começar a ser construída em 1928. Como a construção viria a receber um intenso tráfego de bondes e veículos, era bastante importante que o viaduto fosse uma construção bastante robusta. Para evitar problemas futuros, inúmeros testes de resistência da estrutura foram realizados, todos eles com bastante sucesso, permitindo assim a inauguração do viaduto no dia 24 de junho de 1932, sendo anunciando com bastante galhardia pelos principais jornais paulistanos à época, como mostra a imagem a seguir.

Com o tempo o “da” caiu em desuso, hoje sendo apenas Viaduto Boa Vista.

A obra trouxe profundas transformações viárias na região central da cidade. O novo viaduto iria desafogar completamente o já saturado trânsito da rua 15 de novembro, que até então era o elo de ligação entre a Praça da Sé até o Vale do Anhangabaú. Além disso, o novo caminho do centro iria impulsionar uma série de novos edifícios na região, como o atual vizinho ao viaduto pertencente à Associação Comercial de São Paulo.

O viaduto em 1953, indispensável para o centro de São Paulo.

E o viaduto não bastava sem funcional, precisava ser uma bela obra arquitetônica pois estava localizado ao lado do então Palácio do Governo. E mesmo sendo uma obra de apenas poucos metros os engenheiros Gaucherry e Oswaldo Bratke projetaram uma bela construção em art déco, cujos traços podem ser observados com mais detalhe na parte inferior do viaduto e nos detalhes de suas grades de ferro (veja fotos na galeria ao final deste artigo). Abaixo um comparativo feito entre 1938 e 2012.

O entorno ganhou novos edifícios, mas a paisagem não mudou tanto.

Hoje, 80 anos depois da construção o viaduto continua sendo uma importantíssima via da região central da cidade e um dos belos lugares do centro a serem fotografados. Parabéns, Viaduto Boa Vista.

DADOS COMPLEMENTARES:

Nome: Viaduto Boa Vista (à época Viaduto da Boa Vista)
Projeto: 1914 por Oswaldo Bratke e  B. Gaucherry
Início das obras: Novembro de 1928
Inauguração: 24/06/1932 – 14:00hs
Cálculos e engenharia:  Miguel Angelo de Souza Aguiar, auxiliado por José Haar e Oswaldo Arthur Bratke (Companhia Mechanica)
Execução: Siciliano & Silva
Prefeito: Goffredo Telles

Veja mais fotos atuais do Viaduto Boa Vista (clique na miniatura para ampliar):

Bibliografia consultada:

O Estado de S.Paulo 24/06/1932 página 04
O Estado de S.Paulo 25/06/1932 página 03
Correio Paulistano 24/06/1932 página 01

Compartilhe este texto em suas redes sociais:
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Siga nossas redes sociais:
pesquise em nosso site:
ouça a nossa playlist:

17 respostas

    1. Realmente muito bonito, depois vieram os militares, viadutos feios, sem falar que a população quadriplicou e tudo virou o que ja sabemos do Centro, sujo, mascarando essas pérolas !!!!

  1. Excpecional!!!! Sabe em que ano a ladeira (e todo o Centro) passaram a ser calçadão?

  2. Muito bem lembrado!!! Sabe em que ano a Ladeira (e todo o Centro) passaram a ser calçadão?

    1. O projeto de pedestrianização do centro é dos anos 1970 e foi conduzido pelo prefeito Olavo Setúbal, que se inspirara em projetos urbanos contemporâneos que estavam na moda na Europa.

      Curiosamente, o banqueiro, em seus últimos anos de vida, demonstrando certo preconceito de classe, considerou a operação inadequada à cidade, pois ela teria possibilitado a “popularização” da paisagem central. Ele chegou a dizer que o calçadão paulistano seria um “mercado persa” (ou seja: ele considera ruim justamente o que torna o calçadão fantástico, a presença do povo).

  3. Quando passo aí, sempre paro aí só pra observar as vigas,que aliás, são lindíssimas.

  4. Pessoal , o centro passou a ter calçadões no governo do prefeito Olavo Setúbal entre 1975-76. Na minha opinião foi a criação dos calçadões e do mini anel viário que deram o golpe derradeiro na decadência do centro….

  5. Olá, o engenheiro B. Gaucherry pode ter calculado e projetado a estrutura do viaduto, mas o projeto arquitetônico art déco é de autoria do arquiteto Oswaldo Arthur Bratke (1907-1997). Em 1930, a Prefeitura de São Paulo realizou um concurso para caracterizar esse viaduto. Oswaldo Bratke, então estudante do Mackenzie, apresentou um trabalho e teve seu projeto escolhido. Esse foi o primeiro trabalho profissional do arquiteto, que acabou sendo contratato pela Companhia Mecânica e Importadora (que construiu o viaduto). Referência (texto e fotos): Segawa, Hugo e Dourado, Guilherme Mazza. Oswaldo Arthur Bratke. São Paulo: ProEditores, 1997. pp. 57-60.

  6. O belíssimo gradil do viaduto ,que segundo Luiz Roberto Kamide é obra do arquiteto Oswaldo Bratke se encontra em adiantado estado de enferrujamento. Há poucos meses o fotografei e enviei ao Sr. Bucheroni
    atual encarregado da SubPrefeitura da Sé pedindo providencias urgentes e restauração. Não fui até hoje honrado com uma resposta do distinto senhor.

  7. As fundações desse viaduto foram inteiramente refeitas em 73, devido à passagem sob ele dos dois túneis do metrô que ligam as Estações Sé e São Bento. Como o projeto original havia se perdido, os engenheiros foram escavando o solo e reforçando as colunas que encontravam. Depois construiu-se o novo sistema de sustentação, cuja parte visível são esses paredões de concreto em ambas as laterais da General Carneiro.

  8. Continua linda se você perceber lembra uma Europa comparando as fotos de 1938 e 2012

Deixe um comentário!

%d blogueiros gostam disto: