Casarão de 1913 (demolido) – Rua Dona Antônia de Queirós

Localizado na região da Consolação, este antigo e quase centenário casarão estava situado na Rua Dona Antônia de Queirós, 146 de esquina com a Rua Augusta, onde recebe a numeração 680.

Construído no ano de 1913, o imóvel pertenceu no passado a August Schauerte que ocupou o andar superior, até o final dos anos 1960.

Por sua vez, o andar do nível da rua era destinado a fins comerciais, e durante muitos anos foi o endereço de uma bem conhecida loja de produtos ortopédicos da região, chamada Ortopedia Salva-Pé (posteriormente Salvapé Produtos Ortopédicos). Com o tempo a empresa cresceu e mudou-se do local.

O imóvel com a fachada deteriorada e rachaduras por toda a estrutura (clique para ampliar).

Este imóvel estava abandonado desde meados da década de 1980 e já há alguns anos servia de moradia irregular.

Os anos de abandono e esquecimento levaram o imóvel a um avançado estado de deterioração que comprometeram definitivamente a estrutura do imóvel, com inúmeras rachaduras e infiltrações, trazendo o desabamento da parte mais alto da fachada, que destruiu os ornamentos onde encontrava-se o ano do casarão.

Veja mais fotos do casarão (clique na miniatura para ampliar):
A primeira foto abaixo é de junho de 2009, as demais 12/12/2010

Compartilhe este texto em suas redes sociais:
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Siga nossas redes sociais:
pesquise em nosso site:
ouça a nossa playlist:

29 respostas

  1. Antes de ver todas as fotos do site havia pensado em fotografar este prédio.
    Ele tem uma linda arquitetura e esta totalmente abandonado e degradado. O que me deixa mais indignada é que ele está em um local por onde passam tantas pessoas todos os dias e nada é feito. Parabéns pelas fotos e pelo excelente trabalho.

  2. Sou um eterno apaixonado pelas coisas antigas, quer sejam imoveis ou moveis e/ou objetos. Teu trabalho é marabvilhoso e tomara, concientize donos, proprietários e politicos administradores para tomarem iniciativa para preservar nossa memoria. E neste sentido,gostaria muito encontar um imovel nestas condicoes,na região jardins( amrerica, paulista, paulistanno…)com caractristicas marcandes para montar um negocio, onde o propiretário esteja aberto a trocar o laugel pelo restauro e preservação do imóvel.
    parebens a voce!

  3. Moro perto deste casarão. Sempre quando passo, dou uma olhada, pois sua arquitetura é muito bonita. É uma pena que esteja neste estado.

  4. Realmente o estilo eclético dessa casa é muito interessante.Já me informei a respeito com uma dessas pessoas que aparecem na foto
    preparando a mesa para o carteado da tarde. O proprietario é pessoa de muitas posses e não tem nenhuma ideia de reformar , vender ou
    alugar o imovel. De passagem , essa rua Antonia de Queirós é uma das ruas mais asquerosas de SP.

  5. vejo esse Casarão da janela do meu Ap. acho incrivelmente lindo, sou apaixonado pela a arquitetura fico muito chateado em ver o descaso para com esse patrimônio cultura e historico..

  6. Colegas, estão mexendo no casarão desde sexta-feira passada mas não sei com qual finalidade.

    Na sexta dia 10/12/2010 começaram a cercá-lo com tapumes de metal, pensei “aí vem algo bom… ou ruim”. Ontem (segunda dia 13/12/2010) pela manhã, gelei com a placa em destaque na fachada: ABC Demolidora. Passando em frente dava para ouvir barulho de madeira sendo martelada. Fui para o trabalho me “despedindo” do casarão… à noite voltei para casa, e ele ainda estava inteiro, com algumas luzes acesas.

    Hoje pela manhã, através das janelas (ainda não foram arrancadas, como de praxe acontece nas demolições) que agora permanecem abertas o tempo inteiro, pude ver que foram retiradas divisórias internas dos cômodos que ficam na extrema esquerda da foto acima. Reparei também que foram retiradas aquelas tábuas que fechavam o vão do prédio (bem ao centro na foto acima, atrás da placa verde), no lugar estão só as grades antigas de ferro.

    Voltando para casa, hoje à noite, passei em frente e o casarão continua inteiro (sic).

    Revitalização a caminho? Ou simplesmente uma demolição lenta? Não sei, só acho que se fosse demolição, em dois dias úteis o casarão já teria sido completamente arrasado.

    Prometo mantê-los informados com boas ou más notícias.

  7. Nos comentários da reportagem da Folha Online, percebe-se fácil por que a memória do país é tão maltratada. Apesar de a maioria dos comentários ser contra a demolição, outros trazem frases que lembram as que seres unicelulares usariam se falassem. Alguns exemplos, com grifos meus:

    • “Agora aparece gente dizendo que tinha que preservar, como se não tivéssemos museus, bibliotecas e centros culturais. Preservar um prédio que nem tem informações históricas? Para que (sic)? Não é uma árvore ou um ser. Melhor uma construção útil, que todos possam usar e que acabe com aquele fantasma que deixa a região ins eg.ura. Está abhandonada há 50 anos e ninguém se manifestou.”

    • “Isto mesmo São Paulo, não a velharia, sou a favor do progresso. Tem mais é que por (sic) estes prédios antigos abaixo e dar lugar aos modernos, muda tudo, novos ares!”

    • “Essas coisas velhas e antiquadas só trazem nostaugia (sic) e bichos pra nossa linda e moderna cidade.”

    • “São Paulo já está com número alto de patrimônios históricos, colocando um prédio de nivel melhor ali melhora a região.”

    • “JÁ VAI TARDE,POIS AQUELA REGIÃO NECESSITA URGENTEMENTE DE IMÓVEIS NOVOS (…) REGIÃO CENTRAL NÃO PODE MAIS CONVIVER COM O ATRASO E DESCASO.”

    • “Hehehe, ja vai tarde!!! Confundir ruína com cultura, se esses comentários valessem alguma coisa, imagina o bonde, o lixeiro de carroção de burros, telefone de manivela e outras porcarias.

    • “Haaaaa parem de chorar, tem mais que derrubar essas porcarias mesmo.Quanto mais obras mais empregos…”

    • “Já vai tarde esse lixo! Que venham obras que reduza (sic) a incrivel deterioração da área.”

  8. Póis bem gente, esse casarão está sendo demolido, vai dar lugar à mais um prédio… Até o final de janeiro vai tudo abaixo….
    Preservação histórica nota 0

  9. É uma vergonha que em um país com tantas construções históricas nem 2 % dessas recebem o devido cuidado que mereciam ter. Isso não ocorre só em SP: Em Niterói a situação chega a ser trágica, lindos casarões com entulho transbordando de suas janelas.
    Uma vergonha! Mas quem liga, afinal se o dinheiro está entrando a cultura e beleza podem esperar.

    1. Bruna e realmente lamentavel,stou muito deprimido pois nasci,e me criei neste casarao,onde pssei os dias mais lindos de minha infancia.Neste casaro no armazem embaixo era o açougue do SR, Antonio Pedace,na parte de cima tinhams 16 comodos fora o porao que era enorme e morava 2 familias,nos saloes em cima ja teve pizzaria, depois foi uma pensao,na qual muitos jogadores do Palmeiras la ficavanm,isto na epoca que jogador jogava por amor ao clube,exemplo Ministrinh Luiz Villa, Montovani.
      Sinto muito orgulho de paasar isto adiante.

      Pedro Pedace

      09/08/1932

      1. Ola Bruno, o senhor poderia me contar mais sobre esse casarão? Conversei com alguns moradores antigos da região e fiquei sabendo do açougue, pizzaria e outros usos do imóvel de sua família. Eu estou estudando a Rua Augusta e recuperando a historia de vários imoveis que foram demolidos ao longo dos anos. Se o senhor – ou algum outro internauta que leia esse comentário – tiver interesse em compartilhar historias sobre esse edifício, ficarei muito grata. Gabriela (gkcesarino@yahoo.com)

      2. Boa Noite Sr. Pedro Pedace,
        Estou fazendo pesquisa para meu doutorado sobre a rua Augusta e região, especificamente durante os anos 1950, incluindo o Colégio Des Oiseaux e todas as quadras vizinhas. Gostaria de saber se o senhor poderia colaborar com meu trabalho conversando comigo sobre as suas memorias da região quando morava lá.
        Se o senhor se dispuser serei imensamente grata, basta me enviar um e-mail de volta para: gkcesarino@yahoo.com.
        Aguardo sua resposta assim que possível! Muito obrigada!
        Gabriela K. Cesarino (FAU – Universidade de São Paulo)

  10. Quando vi o anuncio na pagina da uol fiquei super triste ao saber q esse casarão maravilhoso que com certeza com uma historia muito bonita tabem, sendo demulido como se fosse um nada…É triste ter que admitir que tantas historias como a desse casarão que infelizmente não se sabe ao certo por quem foi construido e quem foram os verdadeiros dono sera destruidas!!

    1. Luciana imagine como me senti ao ler esta noticia,pois nasci neste casarao,sou descedente de italianos,meu Pai era quem alugava todo o predio inclusive a parte de baixo onde tinhamos açougue,neste ja teve pizaria,bailes de carnaval,e finalmente Pensao,onde alguns jogadores do Palmeiras ficavam,hospedados tais como Ministrinho, Luiz Villa MONTOVANI, ETC. ESTE CASARAO ERA DE UMA FAMILIA DO INTERIOR E NAO PODIA SER VENDIDA.

      Abraços cordiais.

  11. Pois é, esqueçam o otimismo do meu comentário de ontem: hoje (15/10/2010) pela manhã o casarão estava totalmente sem telhado e a parte dos fundos já estava sendo demolida. Agora à noite, as paredes já estavam demolidas até a altura das janelas. A faixa de subida da Augusta estava interditada pois um “tratorzinho” ou máquina parecida atacava o que sobrou da fachada da rua Augusta.

    Tanto pela manhã como agora à noite, transeuntes, pessoas como nós, acompanhavam a demolição; ouvi comentários do tipo “que triste” das pessoas que esperavam a travessia no semáforo.

    Infelizmente, agora tudo pode ser resumido em duas palavras: já era.

  12. Já foi. Babau. Já era. Mas vai morar para sempre em meu coração. E há de ornar os piores pesadelos,todas as noite, dos donos da demolidora, dos empreiteiros, e dos futuros moradores, cúmplices distantes. Raios!

  13. Acabou! – “1913 é muito recente não tem valor histórico”…queria entender quais os critérios utilizados para definir se tem ou não valor histórico.

  14. Uma tristeza mesmo, uma perda para o partimônio cultural e para a memória da cidade, o que custava reformar fazer uma casa cultural ou o que seja

    triste

  15. Entre 2008 e 2010 eu trabalhei na Frei Caneca e passava todo dia em frente ao casarão e ficava me imaginando milionária e restaurando-o… rs Meus sonho era morar numa parte e a outra parte fazer um pequeno bistrot com preço acessível a população menos favorecida… rs Infelizmente ainda não fiquei milionária e ele já se foi embora há alguns anos… mesmo deteriorado ele dava um charme a Rua Augusta, na minha opinião de apaixonada…

  16. Nossa que triste. Logo não teremos mais nada para ser lembrado do nosso passado. Parece um pesadelo.
    Tão lindo.

  17. Sei que em algumas casa perto do centro de S.P. existia que eu cheguei a ver tiros na parede da revoluçao constitucinalista quer saber se voce tem essa s fotos eu vi quando criança e gostaria de ver agora, sou neto com muito orgulho de soldado constituionalista e teve curiosidade sobre o tema…

Deixe um comentário!

%d blogueiros gostam disto: