Os treinamentos do Exército Brasileiro em Guarulhos em 1919

Vizinha da capital paulista, a Cidade de Guarulhos é uma grande massa populacional do Estado de São Paulo, com aproximadamente 1 milhão e 400 mil habitantes. Esta numerosa população somada a intensa atividade econômica, o Aeroporto Internacional de São Paulo (Cumbica) e a principal rodovia do país atravessando o município (Rodovia Presidente Dutra) faz de Guarulhos a segunda maior cidade paulista em número de habitantes e a décima terceira do país.

Entretanto essa realidade era muito diferente há um século atrás, quando Guarulhos era basicamente a região central, Bom Sucesso e mais alguns pequenos povoados, sendo a sua população pouco numerosa. A cidade tinha muitas terras virgens, e propriedades rurais, como as fazendas Cumbica e Bananal.

Na imagem acima, mapa do município de Guarulhos em 1950. O quadrado vermelho indicado pela seta da mesma cor mostra a região central da cidade, enquanto os quadrados vazados de bordas azuis mostram as regiões dos exercícios militares realizados em 1919, nas regiões de Várzea do Palácio, Baquirivu Guaçu, Fortaleza, Lavras e Tanque Grande.

Esta imensidão de áreas virgens, florestas, rios caudalosos além da relativa proximidade com o Rio Tietê fazia da região uma área perfeita para exercícios militares. Tais atividades do exército hoje em dia se dão em localidades bem distantes da capital paulista, mas em 1919 Guarulhos era a região perfeita para isso.

Soldados da Segunda Companhia do Exército em seu acampamento em Guarulhos (clique para ampliar)

Para o deslocamento da tropa a inauguração da Estação Guarulhos do Tramway da Cantareira, em 1915, facilitou muito. E além da própria ferrovia existiam caminhos por terra como a Estrada da Conceição dos Guarulhos (hoje Avenida Conceição, na zona norte de São Paulo), e o caminho pela Penha, alcançado pelas Avenidas Rangel Pestana, Celso Garcia e Estrada Nova da Conceição (atualmente Avenida Gabriela Mistral, no bairro da Penha).

Estas variedades de locomoção permitiram que em 1919 o Exército Brasileiro desenvolvesse em Guarulhos um grande exercício militar, visando treinamento de tropas.

Essas manobras do exército na região combinaram uso de munição real, combinando artilharia, metralhadoras e fuzis.

A artilharia do exército na preparação das manobras (clique para ampliar)

As regiões escolhidas em Guarulhos para tais exercícios foram Fortaleza, Baquirivú Guaçu, Várzea do Palácio e seus arredores. A região de Fortaleza, hoje um bairro bastante populoso daquela cidade leva esse nome devido ao fato de ter apenas uma entrada – veja mapa no final deste artigo – o que tornava o local um área perfeita para ações de treinamento militares.

Tais exercícios foram muito importantes para o treinamento das tropas lotadas em São Paulo e contou não só com a presença dos soldados treinados como também de diversas autoridades militares e civis entre eles o então governador paulista, Altino Arantes.

Altino Arantes – identificado pelo círculo azul – com demais autoridades civis e militares

Para ilustrar bem como foram as manobras militares realizadas em Guarulhos, selecionamos algumas imagens bastante interessantes feitas à época pela reportagem da revista “A Vida Moderna”:

NOTAS:

1 – A região chamada “Várzea do Palácio” em Guarulhos se dá entre as Rodovias Ayrton Senna e Presidente Dutra, hoje já bastante urbanizada porém há um século basicamente uma região de várzea do Rio Tietê. Atualmente a área é cortada pela Rodovia Hélio Smidt.

2 – O bairro guarulhense conhecido como Jardim Fortaleza, além de bastante distante da região central de Guarulhos, até hoje tem basicamente uma única entrada que se dá pela Estrada Velha de Nazaré, que é acessada pela Rodovia SP-036 ou como é mais conhecida Estrada Guarulhos-Nazaré (vide o mapa abaixo).

Compartilhe este texto em suas redes sociais:
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Siga nossas redes sociais:
pesquise em nosso site:
ouça a nossa playlist:

2 respostas

  1. Olá Douglas, não sou saudosista, mas conhecer a cidade que não conheci é algo bastante relevante.

    1. É super-estranho pra mim também; eu tenho saudade de um tempo que não vivi – ou acho que não vivi, se é que me entendem…

Deixe um comentário!

%d blogueiros gostam disto: