Castelinho da Rua Cisplatina

Se tem um bairro paulistano cuja importância transcende a própria cidade é o Ipiranga. Localidade paulistana que respira história, é o berço do Brasil livre das amarras de Portugal e no, no próximo ano, estará no centro das atenções do mundo com as celebrações do Bicentenário da Independência do Brasil.

E por ali existem um sem número de construções antiga interessantes algumas residenciais, outras comerciais e muitas outras institucionais, que fazem do Ipiranga um prato cheio de atrações culturais e arquitetônicas.

E hoje trago uma delas, uma construção muito charmosa e curiosa nas proximidades da Subprefeitura local que muitos costumam chamar de “Castelinho”.

clique na foto para ampliar

Localizado na Rua Cisplatina esquina com Rua Lino Coutinho essa curiosa e bonita construção cuja arquitetura nos remete a um castelinho é uma casa muito interessante.

Seu formato aproveita muito bem o pequeno lote onde ele está localizado, sendo que a casa tem inclusive porão e sótão que podem ser facilmente avistados ao nível da rua. A casa parece possuir dois banheiros no andar superior sendo um deles posicionando bem na quina da construção. A exceção de uma janela, todas as demais do andar superior são com formato de um arco.

Por fim a casa possui também uma pequena entrada lateral mais à direita já quase na divisa com a propriedade vizinha.

Um charme! Veja mais fotos abaixo.

Compartilhe este texto em suas redes sociais:
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Siga nossas redes sociais:
pesquise em nosso site:
ouça a nossa playlist:

11 respostas

  1. Este entorno do Ipiranga apresenta muitas construções deste tipo. Algumas já descaracterizadas ( reposicionamento para comércio, ou reforma de fachada são as variantes mais comuns ), outras em estado original. Esta por acaso, sendo de esquina, tem a vantagem da garagem, incorporada no porão, com entrada pela Rua Lino Coutinho.

    É uma casa operária ou de trabalhador, isto se nota, pois não há recuo com jardim frontal, porém aí está o charme. E o tipo de casa que, ainda hoje, um tranca, leva a chave, e não terá que se preocupar com invasão de ladrões ou sem teto. A fachada defronte para a calçada por vezes esconde, em terrenos grandes, um enorme quintal. Isto é uma herança de como se construía nas cidades Europeias Pré Guerra. Esta casa está situada entre a parte baixa e parte alta, do bairro, o que denuncia que foi moradia de famílias de trabalhadores que labutavam nas fábricas próximas à Avenida do Estado ( Linhas Corrente, Arno, Ford, ou muitas outras. )

    O estilo desta casa, em específico, fica entre o que se denomina em inglês Row House e Townhome. E deveras muito atraente, e uma otima alternativa para predios de apartamentos.

    Ao meu ver, os únicos pontos negativos são as esquadrias de janelas no andar superior desproporcionalmente pequenas, e, obviamente, a pichação.

    O bairro é deveras muito charmoso, e ainda não perdeu a sua característica, apesar dos Gorilas de mil toneladas ( edifícios alto padrão no entorno ).

  2. Morei no Ipiranga em 3 ocasiões. Quando nasci morávamos na Av Presidente Wilson em uma dependência em um armazém da antiga SPR (depois Santos a Jundiaí) mas tivemos que mudar pouco tempo depois, pois meu avô que trabalhava na SPR faleceu..
    Onze anos depois moramos por um ano e meio na Rua Costa Aguiar dividindo uma casa com primos nossos, onde ficamos quase 2 anos.
    Três anos depois voltamos para o Ipiranga, onde moramos por 9 anos na Rua Bom Pastor.
    Nesse período eu e meus 2 amigos mais próximos, aos sábados e domingos andávamos percorrendo o bairro batendo papo e nos atualizando sobre o que havia acontecido durante a semana. Aproveitávamos para paquerar, lógico.
    Muitas construções nos chamava a atenção e essa era uma delas.
    Recentemente passei lá perto e, novamente, me chamou a atenção.
    Se não me engano, há umas 2 outras um pouco parecidas com ela, mas não me recordo em quais ruas.

  3. Em 1956 ou 1957 o professor Maercio Romanholi, da Academia de Música Pietro Deiro promoveu um evento, no antigo Cine Cisplatina, onde todos os estudantes se apresentaram tocando acordeão, e eu também participei deste evento tocando a música “Baião da Serra Grande”.

  4. Sempre os malditos e inúteis pichadores, que servem apenas para emporcalhar a cidade e estragar tudo o que é belo.

  5. Gosto muito dessas postagens. Casas guardam a história da cidade. Sempre que puderem fotografem o interior. Parabéns pelo trabalho de documentação.

  6. GENTE…NÃO ACREDITO PASSEI MINHA ADOLECÊNCIA NESSA CASA, POIS O DONO JUNTAMENTE COMIGO E OUTROS AMIGOS,COMO EDSON BELTRAME, EDGAR LAVIERI, CACA, NELSON,LUIZ(CABRITA) JULINHO E OUTROS MAIS PERTENCIAMOS A TURMA DA “BIBLIS”.
    BONS TEMPOS.

Deixe um comentário!

%d blogueiros gostam disto: