As casas demolidas da Rua Indiana

Costumo dizer que a cada casa demolida morre um pedaço da história da cidade onde ela se encontra. Junto com os escombros do que outrora foi um lar, vão também embora histórias e lembranças sendo que restarão apenas as memórias das fotografias e das pessoas que nelas viveram.

E é assim o caso destas lindas residências antigas localizadas na Rua Indiana, região de Cidade Monções, que foram demolidas recentemente para dar lugar novos empreendimentos:

Duas das três residências da Rua Indiana

Projetadas e construídas em 1954 pelo arquiteto e engenheiro Adolpho Lindenberg, estas casas tinham projetos arquitetônicos bem peculiares e chamavam muito a atenção de quem passava por aquela rua. Eram originalmente três casas, sendo duas geminadas (da fotografia acima) e uma terceira isolada.

A primeira residência a ir abaixo, cerca de dez anos atrás, foi justamente esta isolada. Infelizmente não temos fotografia dela mas temos o desenho da fachada extraído do próprio projeto original:

Agora a especulação atingiu as outras duas, que até poucos meses atrás eram ocupadas, sendo a da direita utilizada para fins residenciais, enquanto a da esquerda de uso comercial. A casa da direita, aliás, foi mantida em suas características originais até seus últimos dias:

clique na foto para ampliar

É entristecedor perceber que casas antigas tão belas e aconchegantes como estas aqui estão desaparecendo cada vez mais rapidamente do cenário urbano, dando lugar a prédios e mais prédios. As consequências são as ruas que ficam cada vez mais densas, congestionadas e a moradia do paulistano cada vez menor.

Nossos agradecimentos a leitora Flavia Loureiro que residiu em uma das casas e nos enviou as fotografia que ilustram este artigo e também a planta com o desenho das fachadas e dados dos imóveis.

Fachada das casas “B e C” as últimas a serem demolidas

Uma curiosidade que gosto de lembrar é que é raro um novo empreendimento na região usar o nome do bairro “Cidade Monções”. A grande maioria – senão sua totalidade – menciona apenas Brooklin, como se o outro nome não existisse. Essa atitude das construtoras, muitas vezes imperceptíveis pelas pessoas, é uma estratégia para valorizar ainda mais seus empreendimentos.

É assim que Cidade Monções vira Brooklin, que Vila Uberabinha vira Vila Olímpia e Santa Cecília vira Higienópolis. Esses anúncios são enganosos e deveriam ser fiscalizados com rigor pelo poder público.

GALERIA DE FOTOS (clique para ampliar):

Compartilhe este texto em suas redes sociais:
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Siga nossas redes sociais:
pesquise em nosso site:
ouça a nossa playlist:

9 respostas

  1. Não parecem duas casas, mas uma única. É ruim, no caso de geminadas, quando um dos moradores “mexe” na fachada (esse aí murou com o portão) e o outro, não. A estética fica “capenga”. Mesmo caso acontece quando uma está bem cuidada e a outra, um lixo.

  2. Será que é tão difícil perceber que sobrará aptos de vrs tamanhos num futuro nem tão distante…As famílias estão cada vez menores, casais que não pretendem ser pais, há mais pets do que crianças em prédios e mesmo assim as incorporadoras são incansáveis nessas construções inoportunas! Lutamos pela preservação de casas geminadas, sobrados que foram deslumbrantes no passado, vilas charmosas, mas como mooquense, noto que o tempo urge…precisamos de verde, casas de cultura, oficinas de talentos e não mais prédios e farmácias!

  3. A árvore na frente, tampa a visão e deixa escura. Se eu pudesse, cortaria a árvore e pintaria a casa de uma cor mais alegre. Aí ficaria show!

  4. Lamentável ! Quanto a omissão dos nomes dos bairros, lembro que, além dos citados no post, a Vila Gertrudes e o Jardim das Acácias, próximos de lá, praticamente desapareceram aos anúncios e outras referências.

  5. É interessante notar, pelo menos eu assim o presumo, que a aparência frontal de uma casa diz muito a quem ali edificou. A casa tem muitos elementos arquitetônicos de fachada que indicam que possivelmente foi erguida para descendentes de Alemães, ou Alemães. Ou Suíços.

    Tal possibilidade de se construir algo com identidade própria desapareceu com o avanço das incorporadoras. Hoje em dia é tudo tão padronizado, homogeneizado, sem graça. Massificação da moradia em todas as faixas econômicas, diga-se de passagem.

    Um detalhe. O endereço está localizado tecnicamente no Brooklin. Cidade Moncoes, vai de um quarteirão acima da Engenheiro Luís Carlos Berrini , atravessando a mesma e terminando na Avenida das Nações Unidas. O nome veio de um loteamento com casas erguido pelo empreendedor Artacho Jurado, antes deste fazer fama em Higienópolis e Bela Vista com seus edifícios. Foi ali que ele aperfeiçoou o seu jogo como empreendedor imobiliário ( ao menos ele construiu prédios com carácter único, e feitos para durar e transcender o tempo ).

Deixe um comentário!

%d blogueiros gostam disto: