Casa Demolida – Rua Azevedo Soares 2558

Nós aqui do São Paulo Antiga fazemos praticamente o mesmo trabalho que o Google faz com seu Street View: documentar as ruas da cidade. A diferença entre nós se dá pelo fato de que eles não fazem uma curadoria, fotografando a cidade por completo rua a rua e nós apenas clicamos – seguindo nossos critérios técnicos – os imóveis que são relevantes para a memória da cidade.

Apesar do ritmo de publicação não ser muito rápido (em média 3 a 4 imóveis por semana), nestes treze anos de atuação acumulamos um gigantesco acervo com milhares de casas, vielas, vilas prontas para serem publicados.

Mas isso organizar, pesquisar e finalmente publicar toma um tempo considerável e, muitas vezes, quando vamos colocar no ar temos surpresas tristes. Como foi o caso desta charmosa residência da Vila Gomes Cardim:

clique na foto para ampliar

Provavelmente construida na primeira metade do século vinte, a simples e charmosa residência da fotografia acima estava localizada no número 2558 da Rua Azevedo Soares. Era uma típica residência antiga paulistana da fase em que o carro já fazia parte da vida das famílias da cidade.

Lembre-se que muitas casas antigas de classe média sequer tinham garagem, muitas vezes sendo construídas geminadas umas as outras. Essa , por sua vez, já tinha uma entrada lateral que dá acesso a todo o imóvel, como o quintal, a garagem e a própria casa em si.

Entre os detalhes da casa destacamos o muro baixo, o portão igualmente baixo e confeccionado em ferro e o tradicional ornamento de muitas casas antigas de São Paulo: o azulejo sobre a janela, instalado em uma posição inclinada que quase faz parecer um losango.

Infelizmente estar bem cuidada não foi o bastante para que ela fosse preservada. Nós a fotografamos em 2014 e ela foi abaixo quatro anos depois, em 2018. O que mais entristece é quando constatamos que a casa não foi derrubada para o espaço receber uma função mais nobre, mas para acomodar um estacionamento para um estabelecimento construído do outro lado da rua.

Em São Paulo além da especulação imobiliária outra inconveniência que leva muitas casas a desaparecer são os estacionamentos. Uma praga urbana típica de uma cidade totalmente despreparada para atender seu cidadão com transportes públicos eficientes. Quem perde somos todos nós.

A foto abaixo, do Google Street View, mostra como está o local depois da demolição:

Compartilhe este texto em suas redes sociais:
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
Siga nossas redes sociais:
pesquise em nosso site:
Cadastre-se para receber nossa newsletter semanal e fique sabendo de nossas publicações, passeios, eventos etc:
ouça a nossa playlist:

5 respostas

  1. Se vocês mudarem o dedo no Street View no logradouro e imediações, a primeira coisa que notarão é que não há uma uniformidade arquitetônica na região.

    Você certamente notará os sinais de gentrificação, em sua maioria proporcionados pelo dinheiro do novo rico e classe média ascendente. Uma cacofonia de estilos e mutilações para aparecer “hip”.  

    Outro detalhe, é que novo rico nunca vai às compras ou dar a volta no bairro a pé, ou de bicicleta, pode estar indo a dois quarteirões, vai pegar o carro, por conta da fobia de assaltos urbanos. Que ele, novo rico, ajuda a atrair quando fica mostrando por ostentação ( roupa de grife, carro, celular, bla, bla,bla ),  Portanto, qualquer ilusão de ter um bairro que se pareça com Amsterdam, bom, novo rico não vai para la. Portanto, não há fonte de inspiração, a fonte de inspiração será Miami , Orlando, e talvez, Nova Iorrrrque.   Ou seja, os novos ricos se inspiraram no cafona de fora. 

    Quando aquele charmoso sobrado for abaixo ( que em outros lugares seria privilégio ter uma casa urbana, ainda mais autêntica, ou seja, ser dono do chão aonde pisa ).  

    Eu posso garantir, que nem o Conpresp, ou os vizinhos, ou o dono derramaram uma lágrima sequer quando a casa veio abaixo.  Tirando o Douglas, e algum outro leitor aqui, ninguem.  

    A palavra chave, para tombar, e conformidade  Para se preservar, deverá existir um grupo de imóveis no entorno que apresentem características comuns, e se houver significado histórico, melhor ainda.  
    Outro problema são os órgãos burocráticos de preservação.  Eu morei em Massachusetts, e la, cada cidade tem o seu próprio “Conpresp”, que responde por  “Nome da Cidade” Historical Preservation Society.    Portanto, não há um órgão público lotado de burocratas ou arquitetos mal sucedidos que se encostaram na burocracia.  São geralmente moradores locais, costumeiramente Senhoras e Senhores idosos, que chateiam o resto para não derrubar isto.
    Seria o equivalente aos sócios de Carteirinha do Lions e Rotary.   
    Isto possibilita que a preservação do bem público, propriedade privada ou não, passe pelo crivo de olhares vigilantes destes tipos de edificações.   Se você visitar as partes antigas no centro de cidades da Nova Inglaterra, a primeira coisa que notara, é que casas antigas, por vezes, tem um sinal na fachada, que diz algo como CIRCA 1899 ou qualquer outro número.  Isto significa, pelo que sei,  que o imovel, tombado, foi erguido em 1899.  Passe os dedos na Touro Street ou na Spring Street, e travessas, em Newport, RI  e descobri estas placas.

    Ao contrário daqui, ter um imovel autêntico, é assunto de se gabar em reuniões de cocktail. Lá,  Por aqui, zero chance que esta conversa existirá.  Eu tive conversas com mães de família que se derretiam por detalhes antigos, tal como um balaustre de escada, ou lareira com manto de pedra.  Por aqui, o assunto e ” diferencial (invenção de corretor de lanchonete que muito comprador papagaia  ), nome do prédio, lazer comum, estas bobagens.  

    Para não perder a viagem…..https://www.bloomberg.com/news/features/2022-04-11/why-chile-s-president-bought-a-home-in-a-dangerous-area
    O presidente eleito do Chile cumpriu a promessa de campanha e se mudou para o equivalente ao nosso Campos Elíseos, ou Bras. Quem puder ler, é interessante.   E claro, ele trouxe seguranças. 

    loomberg   ( de onde vem esta publicação, indexada por City Lab ) e uma divisão de mídia ( a empresa mãe faturou rios de dinheiro providenciando informações na ponta dos dedos para corretores da bolsa, corretoras de valores e outras entidades financeiras pagavam algo em torno de USD 24.000/ano/ terminal ) , que publica impresso, vídeo, web. O fundador, Michael Bloomberg, candidatou-se à presidência, foi prefeito de NYC.

  2. Noto que era uma casa pequena, sem necessidade de demolição: devem ter justificado por ser de esquina.

  3. A mesma praga de demolições de prédios interessantes, para o local se transformar em estacionamentos, se dá aqui em Belém.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.