Antes & Depois – Rua Rio Bonito

Gosto muito de fazer comparativos antes e depois pois eles são uma ótima oportunidade para a partir de duas imagens de épocas distintas sabermos se uma determinada região melhorou ou piorou com o passar do tempo. E em São Paulo, infelizmente, geralmente costuma ocorrer uma piora.

O comparativo de hoje é de uma rua que fica aos fundos aqui da sede do Instituto São Paulo Antiga e paralela à nossa, sendo uma das mais conhecidas e movimentadas da região: a Rua Rio Bonito.

A primeira imagem, abaixo, foi extraída de um publicação antiga e mostra a primeira vez que a rua foi pavimentada no já distante ano de 1928:

clique na foto para ampliar

Na fotografia podemos ver as máquinas e os funcionários da prefeitura trabalhando para o nivelamento e pavimentação da rua, além de algumas crianças curiosas do lado esquerdo da foto e duas pessoas na entrada de uma casa à direita.

Ao fundo é possível ver a grandiosa fábrica Orion – umas das pioneiras do bairro – como a única construção imponente da região. Apesar da mesma ter mudado para outra cidade este prédio continua lá firme e forte até hoje.

Por fim, é importante dizer que esta pavimentação da Rua Rio Bonito não foi feita à época com aslfato. Na época as opções disponíveis eram paralelepípedos, concreto e macadame. Esta última foi a escolhida para esta e demais ruas da região.

Agora vamos nos transportar para os tempos atuais, no ano de 2021:

clique na foto para ampliar

Ao contrário da aparente tranquilidade vista na imagem de quase um século atrás, vemos uma Rua Rio Bonito repleta de veículos estacionados e um entorno bem diferente, com muitas construções fechando as laterais e o horizonte.

Entre elas vemos uma fábrica à direta, diversos predinhos no centro da imagem (um deles em fase final de construção) e na ponta direita, bem no cantinho, vemos as colunas do fundo do Templo de Salomão, da Igreja Universal.

Por fim, embora só uma das casas ainda apareça na foto atual, as duas ainda existem com algumas modificações. O corte da foto para manter a proporção equivalente entre ambas as imagens removeu uma delas.

E ai, qual cenário te agrada mais ? 1928 ou 2021 ? Deixe seu comentário !

NOTAS:

*1 – A pavimentação das ruas da região do Belenzinho, Brás e Pari tinham sua matéria prima abastecida da já extinta Usina de Pedra Britada da Rua Bresser e a areia utilizada nas obras vinha da jazida de areia do Canindé (igualmente extinta).

*2 – O macadame é um tipo de pavimento para estradas desenvolvido pelo engenheiro escocês John Loudon McAdam por volta de 1820. O nome macadame (em inglês macadam) é uma homegem a ele. Este tipo de pavimentação era muito utilizado aqui na Cidade de São Paulo. Mais informações sobre como era o processo de assentamento do macadame você confere clicando aqui.

Compartilhe este texto em suas redes sociais:
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Siga nossas redes sociais:
pesquise em nosso site:
ouça a nossa playlist:

9 respostas

  1. No início da matéria, fui correndo ver mas havia algo muito diferente, então atentei, para minha decepção, que não é a avenida do rio Bonito e sim rua rio Bonito. Pena!

  2. Ficou horrivel, com quase tudo em São Paulo r na maioria das cidades do Brasil.

  3. Nasci na João boemer 1117, em 1950.Infelizmente o bairro foi tomado pelo comércio que, à época ficava na R.Oriente,Silva Telles,Bresser e algumas outras.É melancólico por exemplo você passear por lá pois já nada ou quase, nos traz à memória a História urbana da região.Não sou contra progresso mas não precisamos destruir para ocupar o espaço!Isso é coisa que ocorre no Brasil por motivos óbvios:truncar a História para que o povo não tenha memória.

  4. Nessa rua, Rio Bonito, existia um barbeiro muito antigo, de décadas.
    Deixei minha barba crescer bastante(não costumo usar) só para ir no referido local e pedir ao profissional para fazê-la. Mas, qual não foi a minha (triste) surpresa ao chegar ao estabelecimento e não encontrá-lo aberto? Aguardei uns momentos e nada! O imóvel, na época em que lá estive(início de 2017) ainda resistia bravamente.Não passei mais lá e não sei como está hoje em dia.
    Enfim, voltei para casa e eu mesmo tirei o barbão…
    Não sei se a casa ainda funciona como barbearia e muito menos se é o Sr. Walter, de uma publicação aqui do São Paulo Antiga, o barbeiro que ainda está à frente do negócio. Alguém sabe?

  5. Certo.
    Então, se os apetrechos de barbear ainda estão lá, alguém está tocando o negócio. É isso?

Deixe um comentário!

%d blogueiros gostam disto: