A Casa Árvore

Em minhas andanças por São Paulo eu já vi tudo quanto é tipo de casa, nos mais variados estilos de fachada. O que é bastante comum em uma cidade com uma arquitetura tão pluralista como a nossa. Mas de longe, nenhuma casa chama tanto a atenção como esta pequena residência do Bixiga.

clique na foto para ampliar

Localizada no número 115 da Rua dos Ingleses, esta é para mim a mais curiosa residência paulistana. Fruto de extrema criatividade de seu construtor, a casa tem sua fachada e muro todo imitando troncos e galhos de árvore. Não dá para negar que o estilo desta exótica casa chama – e muito – a atenção. Veja na foto abaixo os detalhes do muro, que ao invés de balaústres tem um ramificação de cimento imitando galhos de árvore.

clique na foto para ampliar

Os traços arquitetônicos imitando árvore percorrem todo a fachada. Até mesmo no telhado sobre a porta de entrada há detalhes que remetem a madeira.

A residência possui dois portões, o da direita que dá acesso à casa principal, que é a da decoração exótica, e o do lado esquerdo que dá acesso a uma ou mais residências ao fundo. Olhando através do portão podemos observar que a casa é naquele típico estilo antigo, bastante estreito. Entretanto, por se tratar de uma região do bairro que é bastante alta, o imóvel segue um comprido terreno em declive.

Os detalhes sobre a janela são bem realistas (clique na foto para ampliar)

Construída na primeira metade do século 20 (ela é mencionada em livros de história do bairro* porém sem muitos detalhes), a casa é um verdadeiro patrimônio da cidade e, infelizmente, pouco conhecida pelos paulistanos. Além de estar num trecho da Rua dos Ingleses que é descida e a maioria das pessoas passam apressadas ou dentro de um automóvel, a casa fica bastante recuada do nível da rua se comparada a seus dois vizinhos que são bem maiores (veja foto 1 da galeria abaixo) o que a deixa bastante escondida.

Mas talvez estar escondida é o que faz a casa ser ainda mais interessante, pois descobri-la é uma experiência curiosa e gratificante. Quando estiver passando pela região, não deixe de contemplar a curiosa casa árvore.

Veja mais fotos deste imóvel (clique na foto para ampliar):

* livro: História dos bairros de São Paulo Vol 15- Bela Vista,
Nádia Marzola
Prefeitura do Município de São Paulo – 1985

Compartilhe este texto em suas redes sociais:
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Siga nossas redes sociais:
pesquise em nosso site:
ouça a nossa playlist:

18 respostas

  1. Simplesmente sensacional!
    Tomara que esta permaneça erguida!

  2. no minimo, interessante e singular. pensar que quem a projetou e a construiu elegeu uma árvore como elemento decorativo na fachada, no muro rente a calçada e talvez outras partes da casa que não estão a vista. aqui, no Rio, tem o exemplo de uma casa, cuja árvore “adentrou” uma parte da fachada da casa, mas como obra da natureza, ao longo de anos.
    uma beleza o seu trabalho.

  3. Aqui no Rio, no Campo de Santana e/ou na Quinta da Boa-Vista (não recordo ao certo), há parapeitos assim, “de árvore”, tal qual essa mureta, nas pontes sobre os lagos.

  4. Sua matéria sobre a casa-árvore deu excelentes frutos.
    É muito bom encontrar para ler uma coisa diferente do que se costuma ver.
    Parabéns

  5. Sou de Londrina-PR e em setembro estive em SP no Simpósio “Áreas centrais de metrópoles latino-americanas. Transformações e preservações”. Em um dos dias saímos em um grupo da casa da D. Yayá e caminhamos pelo Bixiga, juntamente com alguns arquitetos, geógrafos e historiadores franceses que estudam em vivem em metrópoles latino-americanas. Foi incrível passar por essa rua e muito mais surpreendente ‘descobrir’ essa casa, inclusive pelos paulistanos que estavam lá. Adorei ver a casa aqui no São Paulo Antiga.
    Aliás, tenho um site sobre o patrimônio cultural de Londrina (identidadelondrina.com.br) e este site é um grande incentivo e inspiração. Parabéns pelo trabalho!

  6. Na rua Mairinqui, Vila Mariana, entre os números 267 e 293 existe uma residência bastante curiosa também, toda adornada com mosaicos de vidros e azulejos. A um tempo atrás ela entrou em reforma, mas não a vi depois disso, espero que ela ainda tenha essas características.

  7. Este estilo se chama “Gardening” e vem do conceito de jardim inglês, de se criar uma natureza idealizada e, claro, totalmente artificial. No jardim da Luz há vários exemplos de guarda-corpos imitando galhos. A própria gruta artificial, com cascata, compartilha desse repertório. Além do lago de Diana. Esse estilo foi muito utilizado nos parques públicos, assim como apontou o comentário de J.C. Cardoso acima, falando do Campo de Santana.
    Seria interessante descobrir como essa influência chegou no construtor dessa casa que, pela tipologia, é uma residência média.
    Abs!

    1. Obrigado pela dica.
      Desconhecia nome e ser de origem inglesa.
      Curioso é que nunca me recordo de ter visto aqui no Rio em bairros que foram projetos de empresas inglesas (os chamados bairros-jardins), infelizmente, a maioria hoje deteriorados.
      Sei que existe um estilo de construção inglês que as pessoas erradamente confundem com construção alemã (enxaimel). Eu mesmo fui um deles.

    2. Na Rua Conselheiro Furtado, quase na Pires da Mota, e na Lateral da Praça Hélio Ansaldo com Rua do Lavapés, tem o mesmo estilo.

  8. Muito interessante. Há várias casas nesse estilo no sul de Minas. Tenho tias que moram em Brasópolis em um casarão com essas imitações O que se diz lá é que era uma tradição herdada de construtores portugueses.

  9. Olá Douglas
    Meu nome é Elaine logatto nasci na casa da árvore em 1964 vivi 15 anos la e tento muitas lembranças historia e registros sei quem foram os proprietários
    Minha avó já morava depois meus pais se casaram e continuaram morando na mesma
    Se houver algum interesse estou a disposição
    Grata
    Elaine

  10. GOSTARIA DE SABER DE VOCÊS DA SÃO PAULO ANTIGA , SE TEM ALGUM TRABALHO (DOCUMENTÁRIO) SOBRE ESSE COLÉGIO QUE ERA LOCALIZADO, NA AVENIDA NAZARÉ 1.180 NO IPIRANGA, CHAMADO DE CASA DA INFÂNCIA DO MENINO JESUS, ADMINISTRADO PELA LIGA DAS SENHORAS CATÓLICAS (ÉPOCA)OBRA ESSA INAUGURADA APROXIMADAMENTE EM 1923 E QUE NA ATUAL ADMINISTRADORA LIGA SOLIDÁRIA, VENDEU E DEMOLIU PARA A CONSTRUÇÃO CIVIL . .GOSTARIA DE SABER SE ESSA OBRA (COLÉGIO) ERA PATRIMÔNIO DA CIDADE , POR SER DA LIGA DAS SENHORAS CATÓLICAS .UMA INSTITUIÇÃO MUITO FORTE , QUE TINHA RELAÇÕES COM O ESTADO DE SÃO PAULO (ÉPOCA).

Deixe um comentário!

%d blogueiros gostam disto: