A Capela de Tonico e Tinoco

Se há uma tradição paulista que devemos nos orgulhar, entre tantas, é a música caipira. Foi através do célebre Cornélio Pires que a música e as tradições caipiras tomaram espaço na cidade de São Paulo e começaram a traçar um longo caminho que até hoje se percorre, tanto pelas vias tradicionais como pelas modernas.

E sempre que chega o mês de junho e as tão esperadas festas juninas, lembramos com mais interesse da música caipira. Aqui, porém, não falaremos de festejos ou músicas, mas de um pequeno legado deixado na cidade de São Paulo pela mais famosa dupla caipira que já tivemos: Tonico e Tinoco.

Divulgação

A dupla estreou em disco em 1944, e desde então os cantores trilharam uma jornada de muito sucesso pelo Brasil e em São Paulo, com um grande ápice no final da década de 50 e início dos anos 60.

Gravaram muitos discos, cantavam nas rádios, faziam muito sucesso em revistas e até atuaram no cinema, em 1961, inicialmente o filme “Lá no meu Sertão”, que é baseado na vida e na obra do artista.

Antes deste filme porém, um fato quase acabou com a dupla de sucesso ainda em seu pleno auge: a tuberculose. No final da década de 50 Tonico, que era tuberculoso desde a década de 40, teve de ser internado em Campos do Jordão para fazer tratamento da doença, com sério risco de não se recuperar.

Como ambos eram devotos de Nossa Senhora Aparecida, fizeram a promessa de que caso Tonico se curasse da enfermidade que o cometera, construiriam uma capela em retribuição. Em 1959 o cantor recuperou sua saúde e a dupla cumpriu a promessa neste mesmo ano, erguendo uma pequena capela no bairro de Vila Diva, na zona leste paulistana.

Divulgação

Não é preciso nem dizer que a inauguração (foto acima) atraiu uma enorme multidão para o pacato bairro de Vila Diva. Centenas de pessoas foram ver a dupla inaugurar e formalizar a doação da capela.

Interior e capa da Revista Sertaneja - Ano 2 nº 18 - outubro de 1959
Interior e capa da Revista Sertaneja – Ano 2 nº 18 – outubro de 1959

Apesar de pequena e de traços simples, a capela logo transformou-se em um ponto de visitação e oração de fiéis. Localizada na rua Mirabela, a capela existe até hoje e ainda celebra missas todos os meses, sempre no segundo sábado de cada mês.

A capela atualmente (clique para ampliar)
A capela atualmente (clique para ampliar)

Apesar da sua história curiosa, são poucos os vizinhos hoje em dia que sabem a origem curiosa da capela. Apenas os moradores mais velhos conhecem a ligação da dupla Tonico e Tinoco com o lugar.

Se você é fã da dupla caipira, não deixei de ir em um sábado visitar a capela e prestar uma homenagem a estes dois grandes vultos da história musical paulista. Eles merecem e muito.

Veja mais fotos:

Foto: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga
clique para ampliar
clique para ampliar
clique para ampliar
Foto: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga
Compartilhe este texto em suas redes sociais:
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Siga nossas redes sociais:
pesquise em nosso site:
ouça a nossa playlist:

16 respostas

  1. Olá Douglas, que interessante, morei anos na Vila Diva e não sabia dessa história. Com certeza vou lá conhecer essa Capela.
    Parabéns pelo seu trabalho. Aqui conheço grandes histórias.

    abraços,

  2. Minha dupla caipira favorita.

    Tive a alegria de conhecer Tinoco, há quatorze anos.

    Encarnaram o perfil do caipira paulista. Deixaram saudades…

  3. Eles sempre moraram na região: do Cambuci ao Alto da Mooca. Muitos anos (até o fim de suas vidas), moraram num prédio de apartamentos simples na esquina da Rua Natal com Dr. José Higino no Alto da Mooca. Na frente do prédio ficava a Industrias de Bebidas Milani, aquela da groselha.

    1. Na realidade é o Edifício Oratório, na rua José Higino Nr. 43 – Alto da Mooca. Quem morava lá era o Tinoco. Morou se não me engano de 1974 até sua morte em 2012.

      Morei por anos na região….. o via de vez em quando. Já bem idoso e debilitado por conta do início de Parkinson.

      Vê-lo naquela situação me entristeceu muito. Gosto de suas musicas e sempre tive a imagem de ambos sempre ativos e cantando muito. De repente você tromba com ele. Veio um misto de alegria e tristeza. Alegria por conhecer e conversar com um ícone da música caipira/sertaneja e tristeza por vê-lo doente e debilitado.

  4. Então quer dizer que o responsável por trazer a música sertaneja para São Paulo se chamava “Cornélio”???

    Então está explicado… 😀 😀 😀 😀

    Mas enfim… “trocadalhos do carilho” a parte, essas duplas sertanejas (essas sim, merecem ser chamadas de sertanejas) das antigas eram muito melhores que esses “sertanojos” de hoje.

  5. Eles fizeram esta capela exatamente na Vila Diva, pois era onde a família morava, eu fui várias vezes quando bem criança com a minha avó a esta capela, e no primário estudei com uma das pessoas da família , a Marcia Tinoco.

    Que legal esta matéria, isso é um fato histórico na minha vida ! Parabéns !

    1. Morei na vila diva sp muitos anos essa capela quando eu criança meu pai e meus tios todos os domingos eles iam rezar o terço acompanhado com meus irmãos. Quando terminava o terço os pais do tonico e tinoco abriam tubainas para as crianças e cerveja para os adultos depois voltavamos para casa onde o almoço já nos esperava feito pela minha mãe. Quanta saudades dessa capela infelizmente não temos fotos até o momento que eu saiba isso aconteceu nos anos 60 mas já passei algumas vezes em frente a capela.

  6. No período da doença, o outro irmão, o Chiquinho (que tinha um Circo) substituiu o Tonico na dupla.

  7. Olá Douglas! Essa capela foi o meu avô (Manoel Antonio) quem construiu, a pedido do Tinoco, que era vizinho de frente do meu avô no Tatuapé. Meu pai (Nelson Antonio) foi motorista e secretário da dupla por dois anos no ápice da carreira deles e sabe de muitas histórias de bastidores do Tunico e Tinoco. Parabéns pela matéria!

  8. Eu posso dizer que tive o prazer de ver de perto uma verdadeira dupla sertaneja, na querida cidade Tatuí sp onde hoje é o conservatório era ali que se armava os circos quando por aqui passavam tais como circo e teatro Dora quando estes caboclos cantavam nem crianças no colo da mãe choravam nunca vai
    ter nada parecido.

  9. ATE HOJE EU GOSTO DE OUVIR AS MUSICAS DO TONICO E TINOCO MUITO ALEGRE CONTA A VIDA DA ROÇA TENHO ALGUNS DISCOS AQUELES DE VINIL MUITO ANTIGOS E UMA VITROLA QUE AINDA TOCA ELES ESTAM BEM COM DEUS

  10. OI DOUGLAS – MILTON BIANCO, TENHO 76 ANOS SOU DA REGIÃO MARILIA LEMBRO SE NÃO ME ENGONO EM1958 QUANDO TONICO APRESENTAVA O PROGRAMA DE RADIO (NA BEIRADA TUIA) AGENTE NÃO PERDIA QUADO ELE DESPEDIA ELE FALAVA, BOA NOIE DO TONICO E DO TINOCO LA EM CAMPOS DO JORDÃO DEPOIS ELE SAROU CONSTRUIU A CAPELA, NÃO TIVE O PRAZER DE CONHECELOS – LOS PESOLMENTE, NO CIRCO VI VARIAS VEZES.

Deixe um comentário!

%d blogueiros gostam disto: